icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira
14/06/2014
16:36

Uma foto-flagrante que foi divulgada e mostrava um carro de uma empresa de segurança abandonado numa área da Arena da Amazônia sendo periciado por um policial, causou preocupação: havia uma denúncia de que ele poderia estar com algum explosivo.

O tenente-coronel Aroldo Ribeiro, comandante do policiamento metropolitano e das operações de segurança nos dias de jogos, disse que foi feito um procedimento comum em casos como esse e nada mais.

- Estão tentando criar um fato onde não há nada. Como todos podem perceber,  há muita calma e tranquilidade em todos os acessos. Caso contrário não estaríamos conversando calmamente aqui - disse o Aroldo Ribeiro, que fazia uma reunião com seus subordinados sobre as ações que deveriam realizar durante o evento. Os três mil policiais destacados para a segurança no estádio e no entorno recebiam as últimas instruções no ginásio  Amadeu Teixeira, que integra o complexo da Arena da Amazônia.