icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
04/06/2014
19:13

Capitão da Seleção Brasileira na conquista do pentacampeonato mundial em 2002, o ex-lateral-direito Cafu confia no hexa neste ano e faz uma aposta ousada: o título virá em cima justamente da Argentina, maior rival do Brasil.

Nesta quarta-feira, em ação do Guaraná Antarctica, empresa da qual é garoto-propaganda, Cafu viveu a experiência de ser comissário de bordo em um vôo entre São Paulo e Brasília, mas o assunto não poderia ser outro: o Mundial, que começa daqui a oito dias.

- O Brasil tem tudo pra ganhar a Copa. Um baita time, todo o país mobilizado, estruturas ficando prontas... pretendemos usar tudo isso dentro de campo - afirmou, antes de projetar a final do torneio:

- Vai ser contra a Argentina!

Aposentado dos campos, o ex-jogador vive uma rotina repleta de compromissos comerciais, mas deve estar junto dos 23 convocados em breve.

- Falei com o Felipão e ele me chamou para ir jantar com o pessoal. Não tem data marcada ainda, até porque estou meio enrolado em relação a trabalhos que tenho que fazer, mas assim que der vou dar uma passada lá para jantar com eles. Pretendo ficar junto, dar risada, mostrar que o Brasil inteiro está torcendo para a Seleção, porque nesse momento eles precisam de carinho e conforto - comentou.

VEJA OUTROS TRECHOS DA COLETIVA DE CAFU:

Semelhanças de 2002 com o grupo atual
Não existe. O de 2002 foi vencedor, conquistou o título e não precisa provar nada. O de agora é talentoso, tem grandes jogadores, um grande treinador, mas comparar um grupo vencedor a um que está chegando em sua primeira Copa não seria justo.

Como os protestos vão afetar
Não afetarão, até porque, quando entrar em campo, eles (jogadores) têm que esquecer de tudo. Claro que os protestos existem, nosso país está passando por um período democrático muito bom em relação a tudo que nós queremos. É algo normal e bom, desde que pensado. Mas isso não pode influenciar em campo.