icons.title signature.placeholder Igor Ramos
28/06/2014
20:02

Não fale em reedição de 1998 para os jogadores da França. Pelo menos por enquanto. O discurso uníssono dos Bleus prega humildade, respeito ao adversário e pés no chão. Apesar do bom futebol mostrado até agora os franceses não se julgam candidatos a nada, porém deixam claro que sair nas oitavas de final seria muito decepcionante. O meia Cabaye diz que ser ambicioso não significa ser pretensioso. Mas prega respeito aos adversários.

- Ser ambicioso é grande. É por isso que estamos aqui. Depois, em seguida, dizer que é preciso para ganhar. O objetivo é, obviamente, continuar a ir tão longe quanto possível. Mas pode ser que um dia, apesar de nosso desejo, a nossa determinação, não está imune à queda contra uma equipe mais forte do que nós. Entre ter ambição e que quer ganhar a Copa do Mundo, não é necessariamente obrigado a colocar uma pressão adicional - disse o jogador.

Para ele, uma nova Copa do Mundo começa agora, e é preciso ficar atento para não ser surpreendido.

- Para mim, esta é uma nova competição começa. Agora, estes são os jogos mais fortes do que em jogos de grupo. Ao menor passo em falso, você volta para casa. Ganhar uma Copa do Mundo, temos visto, não é fácil. Grandes equipes já estão fora.

A França realizou seu último treino em Ribeirão Preto, neste sábado, antes do jogo contra a Nigéria, segunda-feira no estádio Mané Garrincha, em Brasília. O técnico Didier Deschamps liberou apenas 15 minutos iniciais do treino para a observação dos jornalistas. O time viajou com uma dúvida em relação a Sahko. O zagueiro ainda não se recuperou totalmente de uma lesão muscular na coxa esquerda. Neste sábado treinou separado dos demais companheiros, e pode ser substituído por Koscielny. Neste domingo os Bleus treinam na capital federal.