icons.title signature.placeholder Diego Neves
27/03/2014
17:59

A vitória do América-RJ sobre o Olaria, por 2 a 1, desta quarta-feira, que assegurou a classificação do time rubronegro para às semifinais da Taça Santos Dumont -  primeiro turno da Série B do Carioca - serviu apenas de plano de fundo para mais um episódio de confronto entre torcidas no futebol brasileiro. Dois grupos de torcedores munidos de pedras e barras de ferros entraram em confronto na estação de trem de Edson Passos e foram detidos por integrantes do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe)

Registros de violência mesmo em jogos de menor apelo não chega a ser novidade no Rio de Janeiro. No ano passado, a partida entre Madureira e Audax-RJ, pela quinta rodada da Taça Guanabara, foi marcada por confusões nos arredores do Estádio Conselheiro Galvão e dezenas de prisões. O novo fenômeno é explicado ao LANCE!Net pelo tenente-coronel Major Fiorentini, comandante pelo Gepe.

- Dentro do Gepe, nós já temos o entendimento claro que não se trata de confronto entre torcedores de times de menor expressão. O fenômeno é, na verdade, de migração de torcedores. Um pequeno grupo de torcedores de um dos quatro grandes decidem apoiar um time de menor expressão em determinada partida, enquanto, torcedores do time rival decide apoiar o adversário na ocasião para que a briga aconteça. Estes encontros são previamente marcados nas redes sociais, o que nos obrigam a um monitoramento constante - disse.

Um nova partida entre América-RJ e Olaria, dessa vez, pelas semifinais da competição está marcado para este sábado, às 15h, no Edson Passos. O Major Fiorentini confirmou que o policiamento no dia do jogo estará reforçado nos arredores do estádio para evitar confrontos.