icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/11/2013
11:47

Durante assembleia geral, neste domingo, em Atenas, o britânico Sir Philip Craven foi reeleito como presidente do Comitê Paralímpico Internacional (CPI) para seu quarto mandato seguido. Andrew Parsons, presidente do comitê brasileiro (CPB) desde 2009, foi eleito vice pelo próximos quatro anos, tempo que abrange os Jogos Paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

Com 96 votos, Parsons bateu o americano Ann Cody (52 votos) e susbstituíra o australiano Greg Hartung, que não tentou a reeleição.

- Eu gostaria de agradecer aos associados pela confiança. Agora eu miro conseguir manter as expectativas que eu coloquei no meu plano. Não vejo a hora de começar a trabalhar com o presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Sir Phillip Craven pelos próximos quatro anos. É um momento empolgante para o esporte paralímpico. Nos não só devemos manter o bom momento, mas tirar vantagem disso e trabalhar bastante para aumentar o desenvolvimento do Movimento, pelo benefício de todos os nosso membros - declarou o novo vice do CPI.

Sir Philip, que foi eleito pela primeira vez em 2001, foi escolhido com 127 votos - seu oponente, o britânico Alan Dickson, recebeu apenas 20 votos - e fará seu último mandato de quatro anos.

- Estou honrado e satisfeito de ter sido reeleito como precidente do CPI e eu gostaria de agradecer meus colegas por seu contínuo apoio. Hoje, esse maravilhoso Movimento reafirmou sua crença em mim e eu prometo que retribuirei essa fé, construindo mais em cima do imenso progresso que fizemos nos últimos anos - discursou Craven após a votação.

- Nosso sucesso trouxe novos desafios, o que significa que nós precisamos nos adaptar para evoluir. Eu espero o futuro, Sochi, Rio, PyeongChang, com muita empolgação e eu estou confiante que nós podemos continuar crescendo e nos desenvolvendo, mas mantendo nossos inspiradores atletas no cerne do Movimento. Juntos, com contínuo trabalho e dedicação de todos, nós poderemos garantir progresso como uma organização que faz a diferença não só no esporte, mas também na sociedade - completou.