icons.title signature.placeholder Bruno Andrade
icons.title signature.placeholder Bruno Andrade
23/07/2013
08:25

O Papa Francisco já está no Brasil para acompanhar a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro. Torcedor fanático do San Lorenzo (ARG), o líder máximo da Igreja Católica vai permanecer uma semana no país, que foi o palco dos últimos gols do seu ídolo de infância no futebol, o ex-atacante René Alejandro Pontoni, o famoso "Huevo" (Ovo).

Um dos maiores centroavantes sul-americanos das décadas de 40 e 50, o argentino René Pontoni brilhou com a camisa do time de Sua Santidade, onde conquistou o campeonato nacional de 1946, marcou 66 gols (em 102 jogos) e formou o folclórico “El Terceto de Oro” (Trio de Ouro), com os companheiros de ataque Armando Farro e Rinaldo Martino. Mas foi na Portuguesa, entre 1952 e 1953, que ele praticamente pendurou as chuteiras.

E MAIS:
> Papa Francisco pousa nas Laranjeiras e ganha camisa do Fluminense
> Presidente do Porto provoca: 'Papa irá ao Dragão, onde Jesus se ajoelhou'

Aos 33 anos e distante do auge, Pontoni desembarcou no Brasil em março de 1952 para reforçar a lendária equipe da Lusa, que contava com Djalma Santos, Pinga, Nena, Brandãozinho, Ceci, Nininho, Pinga, Simão e Julinho Botelho. Disputou 17 partidas e marcou apenas cinco gols (veja a lista abaixo). Estes, os seus últimos gols como jogador profissional.

- O Pontoni defendeu as cores da Portuguesa na época em que o nosso time era respeitado pelos adversários. Foi uma época gloriosa da Lusa. Ele chegou e, apesar da idade avançada, mostrou um pouco do futebol arte da Argentina. Realizou poucos jogos, mas deixou uma forte lembrança para os torcedores da minha geração. Ele era muito bom atacante, tinha um toque de bola refinado. Era um goleador nato - lembrou o maestro e ilustre torcedor João Carlos Martins, ao LANCE!Net.


Na Portuguesa, em 1953: Lindolfo, Djalma Santos, Nena, Brandãozinho, Hermínio e Ceci; Julinho Botelho, Pontoni (em destaque), Nininho, Pinga e Simão (Foto: Arquivo/Museu da Portuguesa)

Em 1954, o centroavante retornou ao país de origem para encerrar a carreira no próprio San Lorenzo (ARG). Realizou mais quatro jogos festivos e se despediu do futebol.

No dia 14 de abril de 1983, aos 62 anos, sofreu um ataque cardíaco e morreu em Santa Fé, sua cidade natal. Mas a história do craque hermano não desapareceu, principalmente na memória do Papa Francisco. Uma semana depois do fim do conclave que o elegeu em março deste ano, o sucessor de Bento 16 enviou uma carta aos dirigentes do San Lorenzo (ARG) e exaltou os gols de Pontoni pelo seu clube do coração.

Diretoria da Lusa estuda ação de marketing

Com a presença do Papa Francisco no Brasil, a diretoria da Portuguesa estuda a realização de uma ação publicitária de última hora para promover a idolatria do líder máximo da igreja católica pelo ex-atacante René Pontoni.

Em contato com LANCE!Net, Dino Garcia, assistente de marketing da Lusa, explicou que o clube cogita desde o último sábado enviar um presente para o Papa, provavelmente, uma camisa oficial.

Nesta quarta-feira, por volta de 8h, Francisco deixa o Rio de Janeiro e embarca de helicóptero para Aparecida, interior de São Paulo, onde vai visitar o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Ele volta à capital carioca às 16h. Logo, os dirigentes da Portuguesa terão poucas horas para entregar em mãos a lembrança para a Sua Santidade, que fica no país até domingo. O retorno à Itália está previsto para 19h.


Papa Francisco foi recebeido com muita festas pelos cariocas na segunda-feira (Foto: AFP)

‘Huevo’, o goleador

Ídolo argentino
Marcou 67 gols pelo Newell's Old Boys (110 jogos), primeiro clube profissional na carreira, 66 pelo San Lorenzo (102 jogos) e 19 pela seleção argentina (19 jogos). Ainda pela seleção, conquistou o tricampeonato do Torneio Sul-Americano (1945, 1946 e 1947).

Passagem pelo Brasil
Após período vitorioso (44 jogos e 27 gols) com a camisa do Santa Fé, da Colômbia, foi contratado pela Lusa em 1952. No futebol brasileiro, realizou apenas 17 jogos e marcou cinco gols.

Jogos pela Portuguesa

26/03/1952 - Portuguesa 0x3 XV de Piracicaba - Amistoso
05/07/1952 - Portuguesa 1x3 São Pauloa - Taça Cidade SP
09/07/1952 - Portuguesa 3x3 Corinthians - Taça Cidade SP
21/08/1952 - Portuguesa 5x3 Palmeiras - Taça Cidade SP - 1 gol
28/09/1952 - Portuguesa 3x1 Comercial - Campeonato Paulista
05/10/1952 - Portuguesa 3x1 Juventus - Campeonato Paulista
19/10/1952 - Portuguesa 2x2 Palmeiras - Campeonato Paulista - 1 gol
16/11/1952 - Portuguesa 2x4 XV de Piracicaba - Campeonato Paulista
19/11/1952 - Portuguesa 4x2 XV de Piracicaba - Campeonato Paulista - 1 gol
23/11/1952 - Portuguesa 2x0 Jabaquara - Campeonato Paulista
18/12/1952 - Portuguesa 0x1 Comercial - Campeonato Paulista
21/12/1952 - Portuguesa 5x1 Portuguesa Santista    - Campeonato Paulista
31/01/1953 - Portuguesa 1x4 Ponte Preta    - Campeonato Paulista
08/02/1953 - Portuguesa 2x2 Bandeirante-SP - Amistoso - 2 gols
27/03/1953 - Portuguesa 0x3 XV de Piracicaba - Amistoso
18/04/1953 - Portuguesa 3x1 Fluminense - Rio-São Paulo
24/05/1953 - Portuguesa 2x2 Flamengo - Rio-São Paulo

O Papa Francisco já está no Brasil para acompanhar a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro. Torcedor fanático do San Lorenzo (ARG), o líder máximo da Igreja Católica vai permanecer uma semana no país, que foi o palco dos últimos gols do seu ídolo de infância no futebol, o ex-atacante René Alejandro Pontoni, o famoso "Huevo" (Ovo).

Um dos maiores centroavantes sul-americanos das décadas de 40 e 50, o argentino René Pontoni brilhou com a camisa do time de Sua Santidade, onde conquistou o campeonato nacional de 1946, marcou 66 gols (em 102 jogos) e formou o folclórico “El Terceto de Oro” (Trio de Ouro), com os companheiros de ataque Armando Farro e Rinaldo Martino. Mas foi na Portuguesa, entre 1952 e 1953, que ele praticamente pendurou as chuteiras.

E MAIS:
> Papa Francisco pousa nas Laranjeiras e ganha camisa do Fluminense
> Presidente do Porto provoca: 'Papa irá ao Dragão, onde Jesus se ajoelhou'

Aos 33 anos e distante do auge, Pontoni desembarcou no Brasil em março de 1952 para reforçar a lendária equipe da Lusa, que contava com Djalma Santos, Pinga, Nena, Brandãozinho, Ceci, Nininho, Pinga, Simão e Julinho Botelho. Disputou 17 partidas e marcou apenas cinco gols (veja a lista abaixo). Estes, os seus últimos gols como jogador profissional.

- O Pontoni defendeu as cores da Portuguesa na época em que o nosso time era respeitado pelos adversários. Foi uma época gloriosa da Lusa. Ele chegou e, apesar da idade avançada, mostrou um pouco do futebol arte da Argentina. Realizou poucos jogos, mas deixou uma forte lembrança para os torcedores da minha geração. Ele era muito bom atacante, tinha um toque de bola refinado. Era um goleador nato - lembrou o maestro e ilustre torcedor João Carlos Martins, ao LANCE!Net.


Na Portuguesa, em 1953: Lindolfo, Djalma Santos, Nena, Brandãozinho, Hermínio e Ceci; Julinho Botelho, Pontoni (em destaque), Nininho, Pinga e Simão (Foto: Arquivo/Museu da Portuguesa)

Em 1954, o centroavante retornou ao país de origem para encerrar a carreira no próprio San Lorenzo (ARG). Realizou mais quatro jogos festivos e se despediu do futebol.

No dia 14 de abril de 1983, aos 62 anos, sofreu um ataque cardíaco e morreu em Santa Fé, sua cidade natal. Mas a história do craque hermano não desapareceu, principalmente na memória do Papa Francisco. Uma semana depois do fim do conclave que o elegeu em março deste ano, o sucessor de Bento 16 enviou uma carta aos dirigentes do San Lorenzo (ARG) e exaltou os gols de Pontoni pelo seu clube do coração.

Diretoria da Lusa estuda ação de marketing

Com a presença do Papa Francisco no Brasil, a diretoria da Portuguesa estuda a realização de uma ação publicitária de última hora para promover a idolatria do líder máximo da igreja católica pelo ex-atacante René Pontoni.

Em contato com LANCE!Net, Dino Garcia, assistente de marketing da Lusa, explicou que o clube cogita desde o último sábado enviar um presente para o Papa, provavelmente, uma camisa oficial.

Nesta quarta-feira, por volta de 8h, Francisco deixa o Rio de Janeiro e embarca de helicóptero para Aparecida, interior de São Paulo, onde vai visitar o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Ele volta à capital carioca às 16h. Logo, os dirigentes da Portuguesa terão poucas horas para entregar em mãos a lembrança para a Sua Santidade, que fica no país até domingo. O retorno à Itália está previsto para 19h.


Papa Francisco foi recebeido com muita festas pelos cariocas na segunda-feira (Foto: AFP)

‘Huevo’, o goleador

Ídolo argentino
Marcou 67 gols pelo Newell's Old Boys (110 jogos), primeiro clube profissional na carreira, 66 pelo San Lorenzo (102 jogos) e 19 pela seleção argentina (19 jogos). Ainda pela seleção, conquistou o tricampeonato do Torneio Sul-Americano (1945, 1946 e 1947).

Passagem pelo Brasil
Após período vitorioso (44 jogos e 27 gols) com a camisa do Santa Fé, da Colômbia, foi contratado pela Lusa em 1952. No futebol brasileiro, realizou apenas 17 jogos e marcou cinco gols.

Jogos pela Portuguesa

26/03/1952 - Portuguesa 0x3 XV de Piracicaba - Amistoso
05/07/1952 - Portuguesa 1x3 São Pauloa - Taça Cidade SP
09/07/1952 - Portuguesa 3x3 Corinthians - Taça Cidade SP
21/08/1952 - Portuguesa 5x3 Palmeiras - Taça Cidade SP - 1 gol
28/09/1952 - Portuguesa 3x1 Comercial - Campeonato Paulista
05/10/1952 - Portuguesa 3x1 Juventus - Campeonato Paulista
19/10/1952 - Portuguesa 2x2 Palmeiras - Campeonato Paulista - 1 gol
16/11/1952 - Portuguesa 2x4 XV de Piracicaba - Campeonato Paulista
19/11/1952 - Portuguesa 4x2 XV de Piracicaba - Campeonato Paulista - 1 gol
23/11/1952 - Portuguesa 2x0 Jabaquara - Campeonato Paulista
18/12/1952 - Portuguesa 0x1 Comercial - Campeonato Paulista
21/12/1952 - Portuguesa 5x1 Portuguesa Santista    - Campeonato Paulista
31/01/1953 - Portuguesa 1x4 Ponte Preta    - Campeonato Paulista
08/02/1953 - Portuguesa 2x2 Bandeirante-SP - Amistoso - 2 gols
27/03/1953 - Portuguesa 0x3 XV de Piracicaba - Amistoso
18/04/1953 - Portuguesa 3x1 Fluminense - Rio-São Paulo
24/05/1953 - Portuguesa 2x2 Flamengo - Rio-São Paulo