icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
17/11/2013
00:23

Os hondurenhos viram todo o espetáculo de luzes e som montado antes do apito inicial e, como o jogo foi nos Estados Unidos, devem ter pensado que era MMA. Mas como a modalidade em questão não tem nada a ver com tatame, a Seleção Brasileira - de futebol - conseguiu superar a voracidade em excesso do adversário e atropelou Honduras por 5 a 0, na noite deste sábado, no Sun Life Stadium, em Miami.

Destaque para o meia-atacante Bernard, que marcou seu primeiro gol com a camisa da Seleção. Dante fez o segundo, Maicon o terceiro (Daniel Alves que se cuide) e Willian o quarto, indo bem no teste imposto por Felipão para quem quer ir à Copa. Hulk completou com o quinto. Victor, Robinho e Marquinhos também ganharam chances e aumentaram as dúvidas na cabeça de Scolari, pois foram bem.

Neymar foi o principal alvo - e o mais óbvio - das pancadas dos jogadores de Honduras. No primeiro tempo, por exemplo, o time da América Central fez oito faltas e cinco delas foram no camisa 10 brasileiro. Teve carrinho, empurrão, tapa, cotovelada... Sem contar aquelas que o árbitro não marcou, como a tesoura-voadora de Bernardez depois de uma finalização na área.

E MAIS:
> Neymar mostra cicatrizes após surra de Honduras: 'Consegui sair vivo'
> 'Reservas de luxo' da Seleção celebram boa atuação contra Honduras
> Bernard, após primeiro gol pela Seleção Brasileira: 'Esperei muito'

Antes de incorporar o espírito de lutador, Honduras jogou bola por nove minutos. Empurrada pela torcida, que gritou "si, se puede" e esteve quase em mesmo número que os brasileiros, a seleção tentou se vestir de zebra com bolas cruzadas e chutes de longe. Nada feito e aí time "mudou" de esporte.

O Brasil demorou um pouquinho para engrenar, mas acordou com as pancadas de Honduras. A resposta foi na bola. Digna de quem tem talento de sobra nos pés. Se os brutamontes estavam do outro lado, o magrinho e veloz Bernard tratou de resolver, aparecendo com liberdade na área e aproveitando passe de Paulinho. 10 a 9 para o Brasil. Quer dizer, 1 a 0.


Jogadores da Seleção Brasileira comemoram gol contra Honduras (Foto: Mowa Press)

No segundo, mesmo com o massacre sobre Neymar, Felipão o manteve em campo até os 20 minutos e deu chance, desde o começo do segundo tempo, a Robinho e Willian. Honduras continuou sem jogar bola e ainda variou o leque de golpes, usando joelhadas. Dante então deu uma cabeçada... na bola, que rebateu em dois defensores e matou - não literalmente - Valladares. Gol de pinball.

Depois disso, a farra começou. Com Honduras cansada de tanto bater, Maicon marcou o terceiro, empurrando para o gol a cabeçada de Robinho. Não demorou muito para Willian mostrar serviço, fazendo o quarto. Robinho participou novamente de uma jogada de gol brasileira, servindo Hulk com um lindo calcanhar. Foi o quinto. Detalhe curioso é que depois que Hulk entrou em campo, Honduras diminuiu a pancadaria (Por que será?)

Se o Brasil apanhou, apanhou e apanhou da faltosa Honduras, quem acabou indo à nocaute foi a "seleção do MMA". Afinal, como bem disse Paulinho na saída para o intervalo, "isso aqui é futebol".

Na terça-feira, o Brasil volta a campo, contra o Chile, em Toronto, no Canadá. O amistoso - o último de 2013 - será às 23h.

BRASIL 5 X 0 HONDURAS
Local: Sun Life Stadium, em Miami (EUA)
Data/Hora: 16/11/2013, às 22h30 (de Brasília)
Árbitro: David Gantar (CAN)
Auxiliares: Kermit Quisenberry (EUA) e Phillipe Brière (CAN)
Cartões amarelos: Maicon (BRA); Palacios, Bernardez, Boniek (HON)
Gols: Bernard, 21'/1ºT (1-0); Dante, 10'/2ºT (2-0); Maicon, 20'/2ºT (3-0); Willian, 24'/2ºT (4-0); Hulk, 28'/2º(5-0)

BRASIL: Victor; Maicon, David Luiz (Marquinhos, 26'/2ºT), Dante, Maxwell (Lucas Leiva, 25'/2ºT); Paulinho, Luiz Gustavo, e Oscar (Ramires, 18'/2ºT); Bernard (Willian, intervalo), Neymar (Hulk, 19'/2ºT) e Jô (Robinho, intervalo). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

HONDURAS: Valladares, Peralta, Figueroa, Bernardez (Montes, 17'/2ºT) e Izaguirre (Garcia, 26'/2ºT); Claros, Palacios (Delgado, 29'/2ºT), Espinoza (Chavez, 17'/2ºT) e Boniek (Najar, 18'/2ºT); Costly e Bengtson (Jerry Palacios, 26'/2ºT). Técnico: Luiz Suárez