icons.title signature.placeholder TENIS NEWS
11/02/2015
23:03

Em uma conversa de julho de 2007 entre Bracciali e um contador que foi preso em 2001, Bracciali discutiu abertamente manipular o resultado de uma partida em Newport, Rhode Island, contra o americano Scoville Jenkins.

Na ocasião, Jenkins venceu por 6/2 6/1.

Em uma conversa de 2011, o proprietário de uma casa de apostas que posteriormente foi preso, afirmou que Starace concordou em vender a final de um torneio em Casablanca.

Pablo Andujar venceu esse torneio por 6/1 6/2.

A federação diz que há uma razão para acreditar que os jogadores estão envolvidos em “comportamento ilícito”.

Bracciali ocupa atualmente a 72ª posição no ranking de duplas. Ao lado do holandês Jesse Huta Galung ele perdeu na primeira rodada do Australian Open mês passado.

O número 170 do ranking, Starace, não joga uma partida de simples pela ATP desde de setembro.

O promotor de Cremona Roberto Di Martino disse à The Associated Press em novembro que Bracciali parcialmente admitiu a manipulação durante uma audiência com os investigadores. Enquanto Starace mantém a versão de que ele não fez nada errado.

Bracciali e Starace são dois dos cinco italianos – junto com Alessio Di Mauro, Giorgio Galimberti e Federico Luzzi – que sofreram suspensões em 2007/2008 pela ATP por apostar.

Suspensões permanentes por manipulação de resultados foram aplicadas à Daniel Koellerer da Áustria em 2011, David Savic da Sérvia em 2012 e Andrey Kumantsov da Rússia em 2014.

Ainda em 2014 um homem foi processado e cinco outros foram presos em uma operação da polícia australiana contra a manipulação internacional de resultados.