icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
15/02/2015
00:14

Sim, há ponto positivo em enfrentar o Rafael Nadal logo na estreia no saibro e no torneio Rio Open, principal competição da América do Sul. Thomaz Bellucci, número 63 do mundo, vê como desafio, mas espera surpreender.


"É o jogo mais complicado de primeira rodada com certeza, gostaria de pegar ele numa final, mas não dá pra escolher muito o adversário. Os únicos que sabem onde ficam na chave são os cabeças 1 e 2 e o resto pode pegar qualquer um", disse o número 1 brasileiro que perdeu os três jogos contra Rafa, dois em Roland Garros, em 2008 e 2010, e um em Wimbledon, em 2012.

 

"Pra mim é um desafio, enfrentar o Nadal no Brasil. Ele é o favorito,  claro que não vou entrar em quadra somente para cumprir tabela. Vou pra ganhar. Todos os jogos que fiz contra ele, mesmo perdendo, fiz boa partida, tive chance. Vou tentar me impôr, lógico que Nadal é um cara bem sólido, regular. Darei meu máximo, mas lógico, primeira rodada tem um pouco de nervosismo, jogadores não estão adaptados às condições e quero usar isso a meu favor. Esses jogos contra os tops a primeira rodada é onde eles ainda não estão 'dentro' do torneio, e é uma boa oportunidade para surpreender".

 

O canhoto de Tietê contou como espera a reação de um público que também é fã do dono de 14 Grand Slams: "Espero que no jogo de terça o público esteja a meu favor, mas tem vários fanáticos dele e acaba que ele é um cara muito experiente, não vai se abalar com torcida, tem muitos anos de carreira, jogou em vários lugares. Pode fazer uma diferença, mas o jogo é dentro de quadra".

 

Por fim, Bellucci disse que não vai curtir o Carnaval do Rio de Janeiro como Nadal fará no domingo desfilando ao lado de David Ferrer na Unidos do Viradouro: "Carnaval não é comigo não, vou ficar no hotel descansando e me preparando. Carnaval não é muito coisa de paulista, mais de carioca, baiano..."