icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/02/2015
19:47

Trinta minutos foram suficientes para que a presidente Dilma Rousseff e o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, acertassem os ponteiros sobre a organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016. Por meia hora, os dois estiveram reunidos a sós, sem a presença de assessores, ministros ou dirigentes esportivos.

– Estou confiante de que teremos uma excelente Olimpíada em 2016. E não será só para os brasileiros, mas também para todos os sul-americanos – disse Bach, após o encontro, na tarde desta terça-feira, em Brasília.

O presidente do COI revelou seu agradecimento à presidente pelo fato de o governo federal ter assumido responsabilidades, que outrora eram do Comitê Organizador Rio-2016. Bach se referiu aos R$ 600 milhões que serão investidos em material esportivo, segurança e energia.

– Tanto a presidenta como o seu governo estão empenhados para o êxito da realização dos Jogos de 2016 – frisou o presidente do COI, que ressaltou os inúmeros legados que ficarão para o povo brasileiro.

Ao fim do encontro, que nos 60 minutos finais contou com a presença dos ministros da Casa Civil e do Esporte, Aloísio Mercadante e George Hilton, respectivamente, além da presidente da Comissão de Coordenação do COI para os Jogos Rio-2016, Nawal El Moutawakel, e o presidente do Comitê Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, em um gesto de amizade, Bach convidou a presidente para a Cerimônia de Acendimento da Chama Olímpica, que ocorrerá em 2016, em Atenas, na Grécia. O mandatário contou que ela se mostrou entusiasmada com a ideia.

- (Por exemplo) Os Jogos Rio-2016 serão um dos mais inclusivos. Será possível que micro e pequenas empresas sejam beneficiadas - salientou o presidente do COI.