icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/11/2013
10:51

O Atlético-PR tenta retomar a supremacia no Paraná. O clube assistiu o rival Coritiba chegra a duas finais consecutivas da Copa do Brasil, além de conquistar o tetracampeonato estadual. Mas quem mandava no estado no começo dos anos 2000 era o Furacão, que viveu anos dourados entre 2001 e 2005, quando foi campeão brasileiro e vice da Libertadores. Hoje o Rubro-Negro paranaense tenta mudar o rumo da história recente relembranco a geração vitoriosa do início do milênio.

Há 12 anos, o Atlético festejava o maior título de sua trajetória, após bater o São Caetano na final do Campeonato Brasileiro de 2001.

Curiosamente, à época damaior conquista do Atlético, o time estava desacreditado e arrancou depois de trocar de treinador, assim como este ano. Em 2001, Geninho substituiu Mario Sérgio, enquanto Vagner Mancini foi o catalisador desta temporada. Após a demissão do antecessor Ricardo Drubscky, o treinador recuperou a confiança da equipe, conduzindo-a da zona do rebaixamento ao G4 do Brasileiro.

O ex-zagueiro Rogério Corrêa, titulardacampanha vitoriosa de 2001, analisou as semelhanças entre as equipes de hoje e do passado.

- Eu vejo um grupo que nem o de 2001. O Vagner Mancini fez o mesmo papel que o Geninho tinha feito naquela época, de passar confiança para os atletas. O Atlético sempre joga bem no Maracanã, vai fazer uma boa partida - disse o ex-jogador ao L!.


Tempos Dourados do Atlético-PR

2001: Comandado por Kleberson e Alex Mineiro, o Atlético-PR levou o Campeonato Brasileiro, único título nacional do Furacão.

2004: Os paranaenses foram vice para o Santos depois de comandar boa parte do Brasileirão, já nos pontos corridos.

2005: O vice campeonato da Libertadores foi a última grande "conquista" do clube. O Rubro-Negro foi desbancado pelo São Paulo na final, sendo goleado por 4 a 0 no Morumbi, no jogo da volta, após empate por 1 a 1 em casa.


BATE-BOLA
Rogério Corrêa
Zagueiro campeão brasileiro pelo Atlético-PR em 2001, em entrevista ao LANCE!Net.

1-Tanto em 2001 quanto em 2013 as equipes arrancaram. Por quê?

Quando o Geninho chegou no lugar do Mario Sérgio, disse para o grupo que tínhamos qualodade. Mancini também pegou uma equipe desacreditada e mostrou que eles tinham talento.

2-O clima de decisão lembra a final contra o São Caetano?

Tem uma semelhança forte, em especial nas dúvidas que o Mancini tem para escalar a equipe. Acho que o jogador que entrar no lugar do Everton vai fazer a diferença, do mesmo jeito que foi o Alex Mineiro, que era desacreditado antes da final e levou o Atlético ao título.