icons.title signature.placeholder Luiz Carlos Ferreira*
icons.title signature.placeholder Luiz Carlos Ferreira*
24/07/2013
23:09

Principal estrela do Rali dos Sertões, o francês Stéphane Peterhansel destacou a qualidade do circuito. Em comparação com o Paris-Dakar, competição que já venceu 11 vezes, ele afirmou que o evento nacional é mais técnico.

– A navegação é diferente, porque não usamos o mesmo GPS. É mais técnico. O Dakar é mais aberto, um grande deserto. Aqui temos variações de terreno – afirmou.

Campeão no ano passado na categoria T-1 FIA, ele lutará pelo título mais uma vez ao lado de seu compatriota Jean-Paul Cottret, que atuará como navegador. Ele evita assumir o posto de destaque no rali.

– Prefiro não me sentir como uma estrela. Faço isso porque gosto de correr e competir – disse o francês.

Vice-campeão no ano passado, Guilherme Spinelli exaltou o rival e prometeu dar trabalho agora.

– É a melhor dupla de rali cross-country do mundo. Ano passado demos trabalho no início, mas depois eles abriram vantagem e foi difícil recuperar. Vamos tentar fazer o possível pra andar junto com eles - afirmou.

*O repórter viaja a convite da organização

Principal estrela do Rali dos Sertões, o francês Stéphane Peterhansel destacou a qualidade do circuito. Em comparação com o Paris-Dakar, competição que já venceu 11 vezes, ele afirmou que o evento nacional é mais técnico.

– A navegação é diferente, porque não usamos o mesmo GPS. É mais técnico. O Dakar é mais aberto, um grande deserto. Aqui temos variações de terreno – afirmou.

Campeão no ano passado na categoria T-1 FIA, ele lutará pelo título mais uma vez ao lado de seu compatriota Jean-Paul Cottret, que atuará como navegador. Ele evita assumir o posto de destaque no rali.

– Prefiro não me sentir como uma estrela. Faço isso porque gosto de correr e competir – disse o francês.

Vice-campeão no ano passado, Guilherme Spinelli exaltou o rival e prometeu dar trabalho agora.

– É a melhor dupla de rali cross-country do mundo. Ano passado demos trabalho no início, mas depois eles abriram vantagem e foi difícil recuperar. Vamos tentar fazer o possível pra andar junto com eles - afirmou.

*O repórter viaja a convite da organização