icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/08/2015
16:45

Leandro Damião é um assunto com o qual o Santos não quer se preocupar neste momento. Nem em campo, e nem fora dele. Apesar da Justiça ter rescindido o contrato do atacante com o Peixe em junho por falta de pagamento de salários por quatro meses, o clube paulista recorreu, e o vínculo não será oficialmente cancelado até o julgamento desse recurso, ainda sem data marcada. Assim, pelo acordo de cavalheiros firmado no ato do empréstimo ao Cruzeiro, o camisa 9 não poderá ser usado neste domingo, às 18h30, pela 21ª rodada do Brasileirão, no Mineirão.

O Cruzeiro, porém, não vê assim. Segundo o departamento de comunicação do clube mineiro, não há nenhuma cláusula documentada que impeça a participação de Leandro Damião na partida contra o Santos. Ele só não entrará em campo porque está sentindo dores no ombro esquerdo, e foi vetado pelo departamento médico. Por uma razão ou outra, o Santos não terá o reencontro com o jogador mais caro de sua história, e que ainda pode custar R$ 122 milhões aos cofres do clube.

Leandro Damião foi uma aposta do Santos para ter um ídolo após a saída de Neymar para o Barcelona. Comprado do Internacional por 13 milhões de euros (R$ 42 milhões na época), o jogador teve apresentaçao de gala e só chegou em razão de uma parceria com o fundo maltês Doyen Sports. Em campo, porém, o investimento não valeu a pena, e foram só 11 gols marcados em 44 partidas. Para tentar recuperar seu investimento, o Peixe decidiu emprestá-lo ao Cruzeiro em 2015, mas ainda hoje o atacante não é considerado titular absoluto por Vanderlei Luxemburgo.

Na última semana, Damião teve chance de deixar a Raposa para atuar na Europa, seu sonho desde os tempos de Inter, mas recusou a proposta de empréstimo do Olympique de Marselha, da França. Os representantes do atacante só desejam sua saída do Brasil em definitivo, e a oferta foi rejeitada pelo estafe.

O julgamento do recurso do Santos para evitar a rescisão de contrato em razão dos quatro meses de salários e direitos de imagem que não foram pagos entre o fim de 2014 e o início de 2015 ainda não tem data marcada. A princípio, o Bigode Grosso estará de volta à Vila Belmiro em janeiro de 2016.

Leandro Damião é um assunto com o qual o Santos não quer se preocupar neste momento. Nem em campo, e nem fora dele. Apesar da Justiça ter rescindido o contrato do atacante com o Peixe em junho por falta de pagamento de salários por quatro meses, o clube paulista recorreu, e o vínculo não será oficialmente cancelado até o julgamento desse recurso, ainda sem data marcada. Assim, pelo acordo de cavalheiros firmado no ato do empréstimo ao Cruzeiro, o camisa 9 não poderá ser usado neste domingo, às 18h30, pela 21ª rodada do Brasileirão, no Mineirão.

O Cruzeiro, porém, não vê assim. Segundo o departamento de comunicação do clube mineiro, não há nenhuma cláusula documentada que impeça a participação de Leandro Damião na partida contra o Santos. Ele só não entrará em campo porque está sentindo dores no ombro esquerdo, e foi vetado pelo departamento médico. Por uma razão ou outra, o Santos não terá o reencontro com o jogador mais caro de sua história, e que ainda pode custar R$ 122 milhões aos cofres do clube.

Leandro Damião foi uma aposta do Santos para ter um ídolo após a saída de Neymar para o Barcelona. Comprado do Internacional por 13 milhões de euros (R$ 42 milhões na época), o jogador teve apresentaçao de gala e só chegou em razão de uma parceria com o fundo maltês Doyen Sports. Em campo, porém, o investimento não valeu a pena, e foram só 11 gols marcados em 44 partidas. Para tentar recuperar seu investimento, o Peixe decidiu emprestá-lo ao Cruzeiro em 2015, mas ainda hoje o atacante não é considerado titular absoluto por Vanderlei Luxemburgo.

Na última semana, Damião teve chance de deixar a Raposa para atuar na Europa, seu sonho desde os tempos de Inter, mas recusou a proposta de empréstimo do Olympique de Marselha, da França. Os representantes do atacante só desejam sua saída do Brasil em definitivo, e a oferta foi rejeitada pelo estafe.

O julgamento do recurso do Santos para evitar a rescisão de contrato em razão dos quatro meses de salários e direitos de imagem que não foram pagos entre o fim de 2014 e o início de 2015 ainda não tem data marcada. A princípio, o Bigode Grosso estará de volta à Vila Belmiro em janeiro de 2016.