icons.title signature.placeholder Lucas Faraldo Knopf
21/03/2014
18:39

Fred? Hernane? Luis Fabiano? Alan Kardec? Leandro Damião? Não. O artilheiro do Brasil em 2014, com 17 gols marcados em dois meses de bola rolando, é o atacante Robert, do Fortaleza. Aos 33 anos, o experiente camisa 9 é o grande nome da bela campanha do Leão neste início de temporada.

Após 23 partidas disputadas no Campeonato Cearense, o Fortaleza acumula 16 vitórias, sete empates e nenhuma derrota. No Estadual, o Tricolor marcou 62 gols. Destes, aproximadamente 27% saíram dos pés de Robert, que, em entrevista ao LANCE!Net, confessou ter ficado surpreso com este grande começo de ano.

– Eu estou contente demais pelo o que está acontecendo aqui. Não só pelos meus gols, mas pela situação do time também. São 23 jogos invictos. Nunca imaginei isto. Os gols foram saindo naturalmente. Nunca imaginei esta disputa pela artilharia do País. Não era meta. Mas agora chegou em um ponto que vou tentar fazer o máximo de gols para dar trabalho aos outros.

Com menos de três meses para a Copa do Mundo do Brasil, o goleador do Fortaleza lamenta a improbabilidade de disputar o Mundial. Ele, no entanto, garante que teria potencial para vestir a camisa da Seleção, alegando que, se não é convocado, é porque joga por um clube da Série C do Brasileirão.

– Eu não tenho esperança (de estar na Copa). Eu estou sendo bem sincero. Não porque eu não tenha condições. Acredito no meu potencial. Tenho toda confiança em mim mesmo. Mas a realidade é difícil. Estou em um clube grande, mas de Série C. Então dificilmente vai surgir esta situação.

Se vestir a camisa do Brasil na Copa do Mundo é um sonho praticamente impossível, disputar a elite do futebol nacional ainda em 2014 é uma meta do artilheiro. Robert, cujo currículo contém, entre outros clubes, Palmeiras, Cruzeiro e PSV (HOL), diz que sonha ser contratado por algum clube da Série A, apesar de ter vínculo contratual com o Fortaleza até o fim deste ano.

– Vou ficar muito contente se for (contratado por) um time de Série A. Tive um 2012 conturbado, com lesões. Depois fui para o México, aí o pessoal me esqueceu. Agora que estou bem preparado fisicamente, estou em condições de estar em um clube de primeira divisão.

Por fim, Robert garantiu não ter mágoas com nenhum clube pelo qual já vestiu a camisa. O atacante, inclusive, confessou que voltaria para qualquer uma destas equipes, lembrando sua passagem pelo Alviverde Paulista, nos anos de 2009 e 2010. Na época, ele se envolveu em uma discussão com o então técnico Antonio Carlos Zago, sendo afastado do plantel palmeirense.

– Sempre onde joguei já fiquei com portas abertas. No próprio Palmeiras, apesar do tumulto da minha saída, tenho amizades lá. Voltaria para qualquer clube, desde que seja coisa boa para mim e para o Fortaleza.