icons.title signature.placeholder Felipe Mendes, enviado especial*
icons.title signature.placeholder Felipe Mendes, enviado especial*
17/07/2013
07:00

Uma das grandes apostas do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o atirador Felipe Wu, de 21 anos, já é um veterano de competições multidesportivas. Apesar da pouca idade, o atleta, que está em Kazan (RUS) disputando a Universíade, tem no currículo participações em eventos que muitos colegas mais velhos não possuem. Segundo ele, um benefício que pode ser de grande valia, principalmente nos Jogos Olímpicos Rio-2016, em que é apontado como possível medalhista.

- É muito importante participar de competições grandes. Isso faz uma enorme diferença. Você se compara a atletas excelentes. Tenho nível para chegar numa final olímpica. Só preciso treinar, para elevar ainda mais o meu nível. E manter isso até 2016 - disse Wu, que ontem ficou em 17º na pistola de 50m, prova que somente começou a disputar em 2012.

O atirador iniciou sua caminhada em grandes eventos multidesportivos em 2010, na primeira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Cingapura. No ano seguinte, competiu na Universíade de Shenzhen e nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. Em 2012, integrou o projeto Vivência Olímpica, do COB, que levou para a Olimpíada de Londres atletas com potenciais de medalha em 2016. A intenção era "quebrar o gelo" da juventude esportiva brasileira. Este ano, ele manteve o ciclo, novamente participando da Universíade.

Mas, embora tenha toda essa experiência em competições, Wu sofre com um problema que aflige muitos atletas brasileiros: a falta de apoio. Sem lugar para treinar em São Paulo, ele precisa viajar para o Rio de Janeiro para aproveitar a estrutura criada para os Jogos Pan-Americanos Rio-2007, ou então improvisar em sua casa.

- O tiro dá muita medalha na Olimpíada, então temos muitas possibilidades. Meu grande problema é a dificuldade para treinar. Então, ou vou para Rio, ou chego mais cedo nas competições ou então faço em casa o que chamos de tiro em seco. Ou seja, é sem munição. No quintal, somente treino o gesto do tiro. Espero ter apoio até 2016 pois estou fazendo a minha parte - afirmou o atirador, frisando que se tornou terceiro sargento do Exército e passou a ter esse apoio.


Felipe Wu sobre cada competição

Jogos Olímpicos da Juventude Cingapura-2010
"Foi a primeira vez que participei de uma competição com todos os esportes e foi um baque. Mas o ano foi difícil pois estava competindo muito mal, principalmente depois que me classifiquei para os Jogos. Meu melhor resultado foi justamente em Cingapura. Lá, foi muito complicado porque a minha prova foi no último dia e eu cheguei no primeiro dia. Treinava todos os dias e não pude curtir como eu queria. Mas valeu a pena".

Universíade de Shenzhen-2011
"Estava treinando para o Pan de Guadalajara e não vinha competindo bem. O nível foi muito alto, como agora, e infelizmente não tive bom resultado. Tinha muito mais atletas do que em Cingapura, era quase uma Olimpíada. A Vila era muito grande e não estava acostumado. Em Cingapura era grande, mas tinha menos atletas. Na China, tinha atletas que disputaram a Olimpíada de Pequim-2008".

Jogos Pan-Americanos de Guadalajara-2011
"Eu estava preparado para conquistar medalha, ou ir para a final, mas, pela pressão, com todo mundo cobrando, não consegui".

Jogos Olímpicos de Londres-2012
"Infelilzmente, eu estava em competição e cheguei com a Olimpíada em andamento. Acabei perdendo a disputa do tiro esportivo, mas só de ter visto a grandeza dos Jogos, poder acompanhar outras modalidades, ir na Vila, ver a organização, já foi muito legal. Teve um dia que almoçamos ao lado do Michael Phelps. Não foi uma ideia inovadora do COB, outros países já faziam isso, mas acho que surtiu o efeito que o COB desejava".

Universíade de Kazan-2013
"Infelizmente não foi bem na minha prova, a pistola de ar de 10m. Estava na Copa do Mundo da Espanha, cheguei em Kazan e já fui competir no dia seguinte. Isso atrapalhou um pouco".


Os resultados de Wu nas competições

Jogos Olímpicos da Juventude Cingapura-2010
Medalha de prata na pistola de ar (10m).

Universíade de Shenzhen-2011
Ficou em 19º na pistola de ar (10m).

Jogos Pan-Americanos de Guadalajara-2011
Ficou em 13º na pistola de ar (10m).

Jogos Olímpicos de Londres-2012
Não disputou o evento. Foi para a Inglaterra no programa Vivência Olímpica do COB para acompanhar as disputas.

Universíade  de Kazan-2013
Ficou em 15º na pistola de ar (10m) e 17º na pistola de 50m.


* O repórter viaja a convite da CBDU

Uma das grandes apostas do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o atirador Felipe Wu, de 21 anos, já é um veterano de competições multidesportivas. Apesar da pouca idade, o atleta, que está em Kazan (RUS) disputando a Universíade, tem no currículo participações em eventos que muitos colegas mais velhos não possuem. Segundo ele, um benefício que pode ser de grande valia, principalmente nos Jogos Olímpicos Rio-2016, em que é apontado como possível medalhista.

- É muito importante participar de competições grandes. Isso faz uma enorme diferença. Você se compara a atletas excelentes. Tenho nível para chegar numa final olímpica. Só preciso treinar, para elevar ainda mais o meu nível. E manter isso até 2016 - disse Wu, que ontem ficou em 17º na pistola de 50m, prova que somente começou a disputar em 2012.

O atirador iniciou sua caminhada em grandes eventos multidesportivos em 2010, na primeira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Cingapura. No ano seguinte, competiu na Universíade de Shenzhen e nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. Em 2012, integrou o projeto Vivência Olímpica, do COB, que levou para a Olimpíada de Londres atletas com potenciais de medalha em 2016. A intenção era "quebrar o gelo" da juventude esportiva brasileira. Este ano, ele manteve o ciclo, novamente participando da Universíade.

Mas, embora tenha toda essa experiência em competições, Wu sofre com um problema que aflige muitos atletas brasileiros: a falta de apoio. Sem lugar para treinar em São Paulo, ele precisa viajar para o Rio de Janeiro para aproveitar a estrutura criada para os Jogos Pan-Americanos Rio-2007, ou então improvisar em sua casa.

- O tiro dá muita medalha na Olimpíada, então temos muitas possibilidades. Meu grande problema é a dificuldade para treinar. Então, ou vou para Rio, ou chego mais cedo nas competições ou então faço em casa o que chamos de tiro em seco. Ou seja, é sem munição. No quintal, somente treino o gesto do tiro. Espero ter apoio até 2016 pois estou fazendo a minha parte - afirmou o atirador, frisando que se tornou terceiro sargento do Exército e passou a ter esse apoio.


Felipe Wu sobre cada competição

Jogos Olímpicos da Juventude Cingapura-2010
"Foi a primeira vez que participei de uma competição com todos os esportes e foi um baque. Mas o ano foi difícil pois estava competindo muito mal, principalmente depois que me classifiquei para os Jogos. Meu melhor resultado foi justamente em Cingapura. Lá, foi muito complicado porque a minha prova foi no último dia e eu cheguei no primeiro dia. Treinava todos os dias e não pude curtir como eu queria. Mas valeu a pena".

Universíade de Shenzhen-2011
"Estava treinando para o Pan de Guadalajara e não vinha competindo bem. O nível foi muito alto, como agora, e infelizmente não tive bom resultado. Tinha muito mais atletas do que em Cingapura, era quase uma Olimpíada. A Vila era muito grande e não estava acostumado. Em Cingapura era grande, mas tinha menos atletas. Na China, tinha atletas que disputaram a Olimpíada de Pequim-2008".

Jogos Pan-Americanos de Guadalajara-2011
"Eu estava preparado para conquistar medalha, ou ir para a final, mas, pela pressão, com todo mundo cobrando, não consegui".

Jogos Olímpicos de Londres-2012
"Infelilzmente, eu estava em competição e cheguei com a Olimpíada em andamento. Acabei perdendo a disputa do tiro esportivo, mas só de ter visto a grandeza dos Jogos, poder acompanhar outras modalidades, ir na Vila, ver a organização, já foi muito legal. Teve um dia que almoçamos ao lado do Michael Phelps. Não foi uma ideia inovadora do COB, outros países já faziam isso, mas acho que surtiu o efeito que o COB desejava".

Universíade de Kazan-2013
"Infelizmente não foi bem na minha prova, a pistola de ar de 10m. Estava na Copa do Mundo da Espanha, cheguei em Kazan e já fui competir no dia seguinte. Isso atrapalhou um pouco".


Os resultados de Wu nas competições

Jogos Olímpicos da Juventude Cingapura-2010
Medalha de prata na pistola de ar (10m).

Universíade de Shenzhen-2011
Ficou em 19º na pistola de ar (10m).

Jogos Pan-Americanos de Guadalajara-2011
Ficou em 13º na pistola de ar (10m).

Jogos Olímpicos de Londres-2012
Não disputou o evento. Foi para a Inglaterra no programa Vivência Olímpica do COB para acompanhar as disputas.

Universíade  de Kazan-2013
Ficou em 15º na pistola de ar (10m) e 17º na pistola de 50m.


* O repórter viaja a convite da CBDU