icons.title signature.placeholder Jonas Moura
12/04/2014
14:30

Acostumada a jogos decisivos, Fofão segue encontrando desafios em sua carreira. Neste sábado, a vitória da Unilever sobre o Vôlei Amil por 3 sets a 2, no Maracanãzinho, não significou apenas a classificação do time à 10ª final. Também marcou a volta por cima das cariocas, antes desacreditadas em razão da campanha ruim na primeira fase. Após o jogo, a levantadora desabafou sobre as críticas que a equipe recebeu nesta temporada e festejou o fato de os triunfos terem chegado na hora certa.

– As pessoas não acreditavam nem que a gente fosse chegar à semifinal e hoje vencemos um time que foi montado para brigar pelo título. As pessoas têm que ter respeito com quem está na equipe. Às vezes falam coisas que machucam a gente, pela falta de respeito com o trabalho. Em nenhum momento deixamos de acreditar – disse a atleta, de 43 anos.

Nesta edição do torneio, Fofão chegou a se ausentar da maior parte do segundo turno por causa de um problema na panturrilha. Foi o momento em que sua liderança fez falta.

– Nosso time este ano foi uma montanha-russa, cheio de altos e baixos. Jogamos um primeiro turno muito ruim, e no segundo eu praticamente não joguei, no momento em que iríamos buscar o entrosamento. A Roberta assumiu super bem, e pude me recuperar. Nunca deixamos de trabalhar. Tudo veio na hora certa.

A volta da levantadora ao grupo significou a retomada de uma referência.

– Senti que minha voz deu uma confiança muito grande às meninas. Elas viram em mim um porto seguro. Foi algo muito forte. Elas olhavam pra mim e pensavam 'ela está ali' e vieram comigo. Agora estamos aí, em mais uma final – comemorou.