icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
18/12/2013
18:22

Após seguidas eliminações na fase quartas de final de torneios importantes do handebol feminino, a Seleção Brasileira finalmente encerrou o jejum e foi às semifinais do Campeonato Mundial após bater a Hungria por 33 a 31, nesta quarta-feira, em Belgrado, na Sérvia. O técnico do time brasileiro, o dinamarquês Morten Soubak, elogiou muito suas comandadas, que superaram duas prorrogações contra uma equipe que ele classifica como "top das tops", e comemorou a vaga nas semis.

- Eu quero falar parabéns para as meninas. Pela atitude, parabéns pela dedicação, pelo jeito que elas trataram os momentos bons e ruins. Nunca ninguém desistiu nem deu mole. Jogamos contra o terceiro melhor europeu do ano passado. É o top do top do top que estávamos enfrentando. Depois de perder do jeito que perdemos em 2011 (derrota para a Espanha nas quartas de final do Mundial, em São Paulo), o jeito que perdemos as quartas de final contra a Noruega (Olimpíada de 2012), hoje virou um pouco a sorte na hora que precisamos - contou Soubak.

Nas semifinais, o Brasil pode enfrentar justamente a Dinamarca, país natal do treinador, que decide a vaga nas semis contra a Alemanha ainda nesta quarta-feira. Mas Soubak não esconde que seu coração é verde e amarelo:

- Eu acho que meu coração é brasileiro é isso já foi provado. Não vou fugir disso. Eu nasci no lugar errado, já falei isso algumas vezes.

Por fim, o treinador dinamarquês lembrou que a presença de Brasil e Polônia (venceu a França mais cedo) nas semifinais podem ser consideradas surpresas:

- Nesse Mundial, nos colocamos no top do top. O que estamos vendo aqui, quem apostou que a Polônia tiraria a França? Quem apostou no Brasil na semifinal? Ninguém. Um sistema como esse, mata-mata, é o dia que define. Então, desse jeito, temos de ter pé no chão e mostramos que somos capazes.

O Brasil aguarda por Alemanha ou Dinamarca nas semifnais, em jogo a ser realizado na sexta-feira (20). Do outro lado da chave, a Polônia vai enfrentar, no mesmo dia, o vencedor do confronto entre Sérvia e Noruega, atual campeã olímpica.