icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/04/2014
19:11

Os problemas enfrentados pelo Cruzeiro no Estádio de Huancayo, onde foi derrotado pelo Real Garcilaso (PER), pela estreia da Copa Libertadores, motivam ainda mais os comandados de Marcelo Oliveira. Titular nas últimas seis partidas, Júlio Baptista garante que os atletas estão ‘mordidos’ por tudo o que houve no primeiro confronto do grupo 5.

Improvisado na função de centroavante, o camisa 10 explica que as ausências de água e luz no campo e os atos racistas contra Tinga são fatores que dão combustível ao atual campeão brasileiro.

– Acho que todo sofrimento que vivemos lá, o tratamento que tivemos, de chegar para treinar e no meio do nosso treinamento eles apagarem as luzes e não conseguirmos fazer o nosso trabalho. Toda raiva que passou lá tem que transferir para o campo e mostrar dentro de campo – disse o meia-atacante, que ainda completou:

– Não tentar fazer disso uma rivalidade, porque poderia nos prejudicar, toda essa raiva, até o que passou com Tinga, tem que colocar em campo e transferir para o futebol.

O desejo de ir à forra no Mineirão, nesta quarta-feira, às 22h, não é apenas do elenco, mas também dos torcedores, que sonham com uma classificação para as oitavas de final da Copa Libertadores.