icons.title signature.placeholder Jonas Moura
13/06/2014
11:21

A líbero Fabi, de 34 anos, anunciou nesta sexta-feira que não defenderá mais a camisa da Seleção Brasileira Feminina de Vôlei. O anúncio foi feito em coletiva no Centro de Desenvolvimento do Voleibol, em Saquarema, no Rio de Janeiro. A jogadora, porém, seguirá atuando pela Unilever, atual campeã da Superliga.

– Foi uma decisão muito difícil. Pensei durante o ano de 2013 e nesse início de 2014 sobre essa continuidade. Minha relação com a Seleção foi um casamento de dois filhos (os dois ouros olímpicos). Quis sair da relação com lucidez. Tudo o que vivi foi foi muito bacana. Deixo pessoas competentes, mas desde o ano passado já vinha amadurecendo a ideia – afirmou Fabi, que fez sua estreia na equipe em 2001, mas assumiu o posto de titular em 2005.

De acordo com a jogadora, o pensamento na aposentadoria já vinha há algum tempo e chegou a hora de "passar o bastão" para a jovem Camila Brait, atual líbero da Seleção, que não esteve no anúncio por ter ganhado folga da comissão técnica. A jovem Leia, presente na atual convocação, também começa a ganhar seu espaço.

– Apesar de não estar no dia-a-dia, sei que não me desligarei totalmente das meninas. Elas só terão uma palhaça a menos para dar risada durante os dias – brincou Fabi.

Fabi anunciou aposentadoria da Seleção Feminina de Vôlei (Foto: Alexandre Arruda/CBV)

Com a Seleção Brasileira, Fabi foi campeã nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008 e Londres-2012, além de cinco ouros no Grand Prix, duas pratas em Mundiais e a conquista da Copa dos Campeões em duas oportunidades. Nesses títulos, o treinador da Seleção foi (e é) José Roberto Guimarães, uma especie de "pai" para a jogadora. Emocionado, ele não escondeu a preocupação com a perda.

– Muitas das meninas mais velhas tentaram demovê-la da ideia de parar. A história da Fabi se mistura com a da Seleção, superando obstáculos e coisas na vida. Me preocupa muito a saída nesse momento, mas agora temos que torcer para a Camila seguir o mesmo caminho de sucesso – disse.

O treinador foi um dos primeiros a saber da decisão de Fabi e, como sempre fez, instruiu a jogadora que tornasse pública a decisão da melhor maneira possível.

– Ela teve uma historia muito bonita aqui. Não queria que fosse anunciado individualmente, e sim junto com todas, do grupo que ela ajudou tanto durante nesses anos. É uma escolha dela, e o importante é que seja feliz. Ela sabe o quanto é querida e fará falta – completou.