icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/07/2013
09:13

No início da temporada, poucos apostariam que os centroavantes Marcelo Moreno e Rafael Marques assumiriam papéis de importância em seus times durante o ano. De renegados por Grêmio – ex-clube de Moreno – e Botafogo, eles deram a volta por cima e são as esperanças de gols para Flamengo e Botafogo no clássico de domingo, às 18h30, no Maracanã.

A volta por cima talvez seja a principal característica que una os atacantes. Afinal, dentro de campo eles possuem estilos de jogo completamente diferentes. Enquanto o camisa 9 da seleção boliviana é o típico artilheiro com presença de área, Rafael Marques gosta de cair pelos lados e criar jogadas para os companheiros, além de fazer gols, claro.

E MAIS:
> Moreno dá susto em coletivo, mas não preocupa para o clássico
> Rafael  minimiza vaias: 'É meia dúzia de torcedores'
> Velhos hábitos: idosos são aliciados por cambistas no entorno do Maracanã

E no ano passado eles também tiveram performances bem diferentes. Marcelo Moreno foi o artilheiro do Grêmio em 2012, com 23 gols. Porém, com as contratações de Vargas e Barcos neste ano, foi deixado de lado por Vanderlei Luxemburgo.

O camisa 20 alvinegro foi diferente. Contratado com o rótulo de "novo Loco Abreu", nem de longe mostrou o oportunismo do uruguaio. Foram 17 partidas em 2012 e nenhum gol.

– Quando cheguei aqui, era cobrado para fazer gols. Agora, talvez seja cobrado para dar assistências. Desde que cheguei, deixei claro que gostava de atuar me movimentando mais – afirmou Rafael Marques.

Neste ano, tudo mudou para o atacante do Botafogo. Ele acabou com o jejum e marcou gols decisivos, como o do título da Taça Rio e do Estadual, contra o Fluminense. Neste ano, foram nove gols em 23 jogos. Média de 0,39 gol por partida, superior a de Moreno (0,30 contando as passagens por Grêmio e Flamengo).

Entretanto, desde que chegou ao Rubro-Negro, a maré do boliviano virou. Ele fez quatro gols em oito jogos, média de 0,5 por partida.

– Estou me sentindo bem porque estou fazendo gols. Isso é importante para um atacante. Vim com esse objetivo. Meu contrato é curto, mas pretendo ficar mais tempo. Estou gostando do carinho do torcedor – disse Moreno, antes do clássico com o Vasco, que terminou com vitória do Flamengo por 1 a 0.

No início da temporada, poucos apostariam que os centroavantes Marcelo Moreno e Rafael Marques assumiriam papéis de importância em seus times durante o ano. De renegados por Grêmio – ex-clube de Moreno – e Botafogo, eles deram a volta por cima e são as esperanças de gols para Flamengo e Botafogo no clássico de domingo, às 18h30, no Maracanã.

A volta por cima talvez seja a principal característica que una os atacantes. Afinal, dentro de campo eles possuem estilos de jogo completamente diferentes. Enquanto o camisa 9 da seleção boliviana é o típico artilheiro com presença de área, Rafael Marques gosta de cair pelos lados e criar jogadas para os companheiros, além de fazer gols, claro.

E MAIS:
> Moreno dá susto em coletivo, mas não preocupa para o clássico
> Rafael  minimiza vaias: 'É meia dúzia de torcedores'
> Velhos hábitos: idosos são aliciados por cambistas no entorno do Maracanã

E no ano passado eles também tiveram performances bem diferentes. Marcelo Moreno foi o artilheiro do Grêmio em 2012, com 23 gols. Porém, com as contratações de Vargas e Barcos neste ano, foi deixado de lado por Vanderlei Luxemburgo.

O camisa 20 alvinegro foi diferente. Contratado com o rótulo de "novo Loco Abreu", nem de longe mostrou o oportunismo do uruguaio. Foram 17 partidas em 2012 e nenhum gol.

– Quando cheguei aqui, era cobrado para fazer gols. Agora, talvez seja cobrado para dar assistências. Desde que cheguei, deixei claro que gostava de atuar me movimentando mais – afirmou Rafael Marques.

Neste ano, tudo mudou para o atacante do Botafogo. Ele acabou com o jejum e marcou gols decisivos, como o do título da Taça Rio e do Estadual, contra o Fluminense. Neste ano, foram nove gols em 23 jogos. Média de 0,39 gol por partida, superior a de Moreno (0,30 contando as passagens por Grêmio e Flamengo).

Entretanto, desde que chegou ao Rubro-Negro, a maré do boliviano virou. Ele fez quatro gols em oito jogos, média de 0,5 por partida.

– Estou me sentindo bem porque estou fazendo gols. Isso é importante para um atacante. Vim com esse objetivo. Meu contrato é curto, mas pretendo ficar mais tempo. Estou gostando do carinho do torcedor – disse Moreno, antes do clássico com o Vasco, que terminou com vitória do Flamengo por 1 a 0.