icons.title signature.placeholder Bruno Andrade e Rodrigo Vessoni
28/12/2013
08:03

O Corinthians pagará os R$ 400 milhões de empréstimo do BNDES, mais os juros de cerca de R$ 300 milhões, no prazo de seis anos, metade do estabelecido em contrato. A previsão é de Andrés Sanchez, ex-presidente do clube e responsável pela estádio em Itaquera.

Em entrevista ao LANCE!Net, concedida na manhã do dia 27 de novembro, minutos antes do desabamento do superguindaste que matou dois operários na arena, o dirigente afirmou que espera receita de R$ 200 milhões anuais para quitar rapidamente a dívida e passar o estádio para o clube definitivamente.

Acompanhe a segunda parte da entrevista exclusiva de Andrés:

Qual a importância dos eventos-teste antes da Copa-2014?
O torcedor do Corinthians que vai participar dos eventos-teste não serão torcedores de Copa do Mundo. Ao mesmo tempo em que teremos dificuldade, também conheceremos os problemas. Vamos fazer alguns eventos como se fosse Copa, com a torcida do Corinthians, para a Prefeitura analisar a logística. Teremos tempo suficiente para testar com torcedores até mais complicados do que o torcedor de uma Copa.

Para entregar o estádio à Fifa...
15 de maio.

Quantos eventos-teste até lá?
O máximo que puder.

Treina no estádio também?
Lógico. Vamos treinar também.

O que pensa quando dizem que o Corinthians “ganhou” estádio?
Magoa muito. O Corinthians é o único clube do mundo que deu garantias reais de patrimônio, que é o Parque São Jorge. Tem juros pra pagar, tem o empréstimo que tem de pagar. Mas ainda assim falam que o Corinthians ganhou o estádio.

Em quanto tempo o Corinthians vai pagar o empréstimo e os juros?
Temos 12 anos para pagar.

Acredita que será pago?
Em seis ou sete anos.

Como tem certeza disso?
Toda a receita do estádio vai para o Fundo. Os pessimistas dizem R$ 150 milhões (de arrecadação anual), os otimistas, R$ 250 milhões. Então, vamos fazer a conta com R$ 200 milhões. A prestação é 60, 70 milhões. Paga. Sobram R$ 140 milhões. Desses 140 milhões, 30% vai para o Fundo, fica amortizado, para ir antecipando o empréstimo. Sobram 100 milhões de lucro, vamos dizer assim: 50% é do Corinthians, 50% fica no Fundo, antecipando os pagamentos. Se o Corinthians quiser usar a parte dela para antecipar os pagamentos, pode. Isso tudo sem naming rights.

Obra no entorno está atrasada?
Pelo que o Governo passa, pelo que a Odebrecht tem conhecimento, é que a Prefeitura e a Dersa estão trabalhando bem, tudo está no tempo normal. Março, abril estará pronto.

Estação de metrô Itaquera não abrirá em dias de jogos?
Na Copa do Mundo, não. Nos jogos do Corinthians, normal. (Estações) Artur Alvim e Itaquera serão para a torcida do Corinthians. A Dom Bosco, que é da CPTM, será do adversário. Aqui (Itaquera) vai abrir, mas a de trem. Metrô até Artur Alvim.

As arquibancadas móveis serão retiradas depois da Copa?
O estádio estará pronto para ter 70 mil lugares, quando o Corinthians quiser crescer. Mas a princípio é isso, para 50 mil pessoas.

Por quanto tempo você será responsável pelo estádio?
Vou ficar na arena até a entrega. Depois, ficarei como conselheiro até pagar o financiamento. Depois, quero voltar somente para ver os jogos.

Como foi a relação com a Fifa?
Foi complicadíssima, foi duro para eles entenderem o que é a estrutura do Corinthians. Hoje está tranquilo.
Houve desgaste para mostrar à Fifa que não era possível atender todos os pontos exigidos?
Não é mostrar, quem manda aqui é o Corinthians. Se o Corinthians quiser três metros, e a Fifa, cinco metros, vai ser três metros.

Você disse que estava complicado. A Fifa queria até elevadores...
(Interrompendo) E não foram colocados. A Fifa entendeu que tentaríamos fazer tudo o que eles precisassem, mas deixando aqui o máximo de legado possível. Não posso fazer coisas que depois não continuarão. Algumas, claro, são necessidades. Mas muitos que pudemos evitar, evitamos. De um ano e meio pra cá, a Fifa tem sido parceira.

Em relação às mudanças na estrutura pós-Copa, o estádio terá de ser fechado por quanto tempo?
Não vai ser fechado, pode ter um setor por um período sem ocupação, mas vai continuar tendo jogos.

A CBF pretende usar alguns estádios da Copa, como os de Manaus, Cuiabá e Brasília, para jogos do Campeonato Brasileiro. O Corinthians jogaria nesses estádio?
Não vai. Não há chance de ser mandante fora da Arena. O Corinthians não entrará em campo.

Como lidar ou agir com relação às punições dadas pela Justiça aos clubes por causa de brigas de torcidas organizadas? O que falar para esses torcedores?
O Corinthians só fica forte se jogar em seu estádio, não apenas financeiramente, como em campo. Então, precisam entender que aqui é a casa deles. Claro, onde se tem 50, 60 mil pessoas, uma coisa aqui outra pode acontecer, mas o torcedor vai cuidar disso aqui como se fosse a casa dele.

O Corinthians dava dinheiro às torcidas na sua gestão?
Levantando defunto agora?

O clube foi punido neste ano por causa de ações das organizadas...
O clube nunca deu dinheiro, na minha administração o que eu fazia era o seguinte: tinha decisão, vai 40 ônibus? Eu pagava 20...

Isso não é dar dinheiro?
Não. O Corinthians pegava ingresso antes e pagava pós-jogo. O Corinthians é privado, eu posso dar dinheiro, dar o estádio, dar o que eu quiser. Desde que o corintiano aceite, qual o problema? Ninguém tem nada a ver com isso. O problema é que muita gente que está fora, que não sabe o que é o futebol, está se metendo. Se todas as leis que pedem no futebol fosse para o país, o Brasil seria o melhor do mundo. Na Fórmula 1 pode beber, em show pode beber, no Carnaval pode beber... Show da Madonna tem fila de três dias, dando volta no estádio, mas se tem fila num estádio de futebol já escrevem que é incompetência, ladrão, isso e aquilo. A Justiça tem de punir o infrator, não os clubes.

E eleição da CBF...
Não falo sobre CBF.

Mas você vai estar ocupado com o estádio e a campanha na eleição da CBF vai estar se aproximando, mesmo que diga que não é candidato...
Venho aqui duas vezes por semana. Não tem problema algum.

O DÉBITO

R$ 400 milhões*
É o valor do empréstimo do BNDES ao fundo que administrará o estádio
*Sem juros

12 anos
é o período máximo de quitação do empréstimo do BNDES

O PAGAMENTO

R$ 60 milhões**
é o valor que o clube terá de pagar, por ano, ao BNDES
**já contando os juros

R$ 200 milhões
média de arrecadação prevista pelo clube com a Arena

R$ 140 milhões
Diferença que sobraria do valor a ser pago e do que deve ser arrecadado por ano

30%
Dessa diferença vai para o Fundo para antecipar o pagamento do empréstimo

R$ 100 milhões
Que sobraram serão divididos entre o clube e o Fundo, podendo a diretoria usar esse valor para antecipar a quitação