icons.title signature.placeholder Guilherme Borini
05/07/2014
07:04

Anderson Salles e Rafael Vaz têm muito em comum. A começar pelo nascimento: ambos são do mesmo ano - 1988 - e naturais do mesmo estado - São Paulo. E também passaram por equipes do interior paulista antes de se encontrarem no Vasco, clube que atualmente defendem.

Mas a característica que mais se destaca nos dois jogadores vascaínos é o faro de gol. São os famosos zagueiros-artilheiros, que não se contentam em apenas defender e ainda encontram brechas para marcar gols. No caso de Rafael Vaz, seu forte, além da potência no cuhte, é o cabeceio em bolas paradas, tradicional jogada de muitos zagueiros que aproveitam a boa estatura. Já Anderson é especialista nas cobranças de faltas e pênaltis. Neste ano, por exemplo, marcou seis gols na campanha do Paulistão pelo Ituano.

- Não podemos esquecer que somos zagueiros e nosso foco é marcar. Mas claro que se houver oportunidade, vai ser bom para os dois fazer gol – declarou Rafael, que tem cinco gols marcados em 23 jogos pelo Cruz-Maltino. O último deles um golaço, de voleio, contra o Friburguense, no Carioca deste ano.

Apesar de pouco tempo de clube – chegou após o Campeonato Paulista -, a habilidade de Anderson nas bolas paradas já foi percebida pelos companheiros nos treinamentos.

- Tenho treinado bastante. No dia a dia o professor pede para a gente treinar bastante. O Douglas, que é o cara das bolas paradas, e até o Fellipe Bastos quando estava aqui, me acolheram bem e me deixaram à vontade para bater também – disse Anderson.

Fora de campo, a sintonia entre os dois também é grande. A amizade vem de antes do Vasco e só fortaleceu após virarem companheiros de clube pela primeira vez.

- Antes de jogar aqui já éramos amigos particulares. A gente jogava muito contra nas categorias de base. E no final de ano muitos jogos beneficentes. Agora ele mora perto de casa. É amigo, conhecido há muito tempo e é muito bom tê-lo no grupo. É bom quando temos amigos perto da gente, ainda mais trabalhando – contou Vaz.

Mas outro fato em comum incomoda os dois jogadores: a reserva. A forte concorrência do sólido sistema defensivo vascaíno, com Rodrigo e Luan, não tem dado chances aos concorrentes. Rafael chegou a ser titular no ano passado, quando chegou ao Gigante da Colina, mas se desentendeu com a diretoria no final da temporada por conta de salários atrasados e foi afastado. Neste ano, recebeu poucas chances e tem sido apenas opção no banco.

Já Anderson Salles sequer estreou com a camisa cruz-maltina. O atleta chegou em alta após o título paulista, mas ainda não ganhou nenhuma chance com o técnico Adílson Batista.

- Estou com a cabeça tranquila. A ansiedade toma conta, a gente quer estear e jogar logo. Tem muitos jogadores bons na posição, temos que respeitar, sabemos que fizeram uma boa campanha no Campeonato Carioca, tanto o Luan como o Rodrigo. E os outros jogadores que estavam aqui também. Vou procurar meu espaço dentro de campo. A hora que o professor Adílson me der a oportunidade vou procurar corresponder dentro de campo.

O elenco do Vasco segue se preparando em Atibaia, no interior de São Paulo, onde ficará concentrado em um resort até o dia 12 de julho. Neste sábado, a equipe realiza um jogo-treino contra a equipe local, às 9h30.