icons.title signature.placeholder Gabriel Matturo
icons.title signature.placeholder Gabriel Matturo
17/07/2013
17:39

O Goytacaz terá seu recurso julgado nesta quinta-feira, às 18h, no TJD-RJ, em busca de uma vaga no triangular final da Série B do Carioca. O campeonato está paralisado desde a audiência que puniu o clube pela escalação irregular do zagueiro Talis nas duas primeiras rodadas do segundo turno do campeonato. Com a punição, o Alvianil perdeus seis pontos, não se classificou para a semifinal da Taça Corcovado e ficou na segunda colocação geral do torneio, sendo ultrapassado pelo América e ficando sem chances de voltar para a Série A do Estadual em 2014.

O LANCE!Net conversou com o vice-presidente de comunicação do Goytacaz, Márcio Rocha, e com o presidente do América, Vinícius Cordeiro.

- Nossa expectativa em relação ao julgamento do recurso é muito positiva. O Goytacaz reconhece o fato do jogador ter jogado de maneira irregular na partida contra o Angra dos Reis. Mas contra o Sampaio Corrêa, o jogador já teria cumprido os dois jogos de suspensão e, por esse motivo, não teria entrado de maneira irregular. Ele não foi escalado com má-fé, mas estamos confiantes de que o TJD-RJ vai reconhecer que ele estava legal para jogar na segunda partida e nos devolverá três pontos - disse Márcio Rocha, que reclamou do prazo curto que o setor jurídico do clube teve para preprarar uma defesa.

- Houve um atropelamento no primeiro julgamento. Nosso advogado não teve tempo suficiente para formular uma defesa, até porque a audiência foi marcada em um dia e dois dias depois ela aconteceu. Isso não existe. Ainda tem o fato do nosso advogado não ter comparecido. Acreditamos que vamos reverter essa situação e estaremos no triangular final da Série B do Carioca - completou.

O Goytacaz havia terminado o campeonato em primeiro lugar no geral com 31 pontos, com a perda dos seis pontos, ele foi ultrapassado pelo América, que havia ficado na segunda colocação com 27. Para o triangular final se classificam o campeão da Taça Santos Dumont, primeiro turno do torneio, campeão da Taça Corcovado, segundo turno, e o melhor classificado no geral.

- O América está bem tranquilo, até porque nós achamos que o Goytacaz não levará nenhum elemento novo aos autos do processo. Torcemos para que o campeonato recomece o mais rápido possível. Essa paralisação está aumentando muito os nossos custos com contratos e logísticas, mas acho que a decisão será mantida e o campeonato voltará em breve - disse Vinícius Cordeiro, aproveitando para falar sobre a situação da equipe rubra na competição, revelando que a paralisação, mesmo que indesejada, não foi de todo mal.

- Nossa passagem na Série B tem que ser dividida em dois momentos. O primeiro foi quando subestimaram o América. Fizemos uma boa Copa Rio em 2012 e tivemos bons resultados no período de treinos em 2013, mas não nos colocaram como favoritos ao acesso para a Série A. Nós mantemos a base e acredito que a derrota para a Cabofriense foi uma infelicidade. No segundo momento perdemos peças importantes por conta de lesões e a equipe acabou sentindo no conjunto. Acho que essa paralisação pode ter nos ajudado dentro de campo, tanto na parte física, quanto na tática - concluiu.

O Goytacaz terá seu recurso julgado nesta quinta-feira, às 18h, no TJD-RJ, em busca de uma vaga no triangular final da Série B do Carioca. O campeonato está paralisado desde a audiência que puniu o clube pela escalação irregular do zagueiro Talis nas duas primeiras rodadas do segundo turno do campeonato. Com a punição, o Alvianil perdeus seis pontos, não se classificou para a semifinal da Taça Corcovado e ficou na segunda colocação geral do torneio, sendo ultrapassado pelo América e ficando sem chances de voltar para a Série A do Estadual em 2014.

O LANCE!Net conversou com o vice-presidente de comunicação do Goytacaz, Márcio Rocha, e com o presidente do América, Vinícius Cordeiro.

- Nossa expectativa em relação ao julgamento do recurso é muito positiva. O Goytacaz reconhece o fato do jogador ter jogado de maneira irregular na partida contra o Angra dos Reis. Mas contra o Sampaio Corrêa, o jogador já teria cumprido os dois jogos de suspensão e, por esse motivo, não teria entrado de maneira irregular. Ele não foi escalado com má-fé, mas estamos confiantes de que o TJD-RJ vai reconhecer que ele estava legal para jogar na segunda partida e nos devolverá três pontos - disse Márcio Rocha, que reclamou do prazo curto que o setor jurídico do clube teve para preprarar uma defesa.

- Houve um atropelamento no primeiro julgamento. Nosso advogado não teve tempo suficiente para formular uma defesa, até porque a audiência foi marcada em um dia e dois dias depois ela aconteceu. Isso não existe. Ainda tem o fato do nosso advogado não ter comparecido. Acreditamos que vamos reverter essa situação e estaremos no triangular final da Série B do Carioca - completou.

O Goytacaz havia terminado o campeonato em primeiro lugar no geral com 31 pontos, com a perda dos seis pontos, ele foi ultrapassado pelo América, que havia ficado na segunda colocação com 27. Para o triangular final se classificam o campeão da Taça Santos Dumont, primeiro turno do torneio, campeão da Taça Corcovado, segundo turno, e o melhor classificado no geral.

- O América está bem tranquilo, até porque nós achamos que o Goytacaz não levará nenhum elemento novo aos autos do processo. Torcemos para que o campeonato recomece o mais rápido possível. Essa paralisação está aumentando muito os nossos custos com contratos e logísticas, mas acho que a decisão será mantida e o campeonato voltará em breve - disse Vinícius Cordeiro, aproveitando para falar sobre a situação da equipe rubra na competição, revelando que a paralisação, mesmo que indesejada, não foi de todo mal.

- Nossa passagem na Série B tem que ser dividida em dois momentos. O primeiro foi quando subestimaram o América. Fizemos uma boa Copa Rio em 2012 e tivemos bons resultados no período de treinos em 2013, mas não nos colocaram como favoritos ao acesso para a Série A. Nós mantemos a base e acredito que a derrota para a Cabofriense foi uma infelicidade. No segundo momento perdemos peças importantes por conta de lesões e a equipe acabou sentindo no conjunto. Acho que essa paralisação pode ter nos ajudado dentro de campo, tanto na parte física, quanto na tática - concluiu.