icons.title signature.placeholder Felipe Mendes, enviado especial*
icons.title signature.placeholder Felipe Mendes, enviado especial*
04/07/2013
09:02

A ponteira Amanda, da Seleção Brasileira feminina de vôlei, foi a escolhida pela Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) para ser a porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura da Universíade de Kazan, na Rússia. O evento será neste sábado, às 20h30 (13h30 de Brasília), na Kazan Arena, estádio do time de futebol Rubin Kazan, e uma das sedes da Copa do Mundo de 2018.

Em sua terceira participação na Universíade, Amanda briga por sua segunda medalha de ouro. Ela integrou a equipe campeã em Shenzhen-2011. Ao ser comunicada da indicação, a jogadora ficou surpresa pelo escolhido não ter sido o ginasta Arthur Zanetti, campeão nas argolas na edição chinesa do evento, e também nos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

- São tantos atletas. Todos que estão aqui poderiam ser escolhidos. Já participei de muitas competições, mas nunca tive a oportunidade de levar a bandeira. Já é uma emoção grande estar presente no desfile das delegações. Liderar o grupo brasileiro será ainda mais. Carregar a bandeira do país para o mundo ver é uma responsabilidade muito grande - disse Amanda, deixando no ar a possibilidade de sambar durante o trajeto dentro do estádio.

A jogadora de vôlei foi escolhida pela CBDU por conta da impossibilidade de Zanetti participar da cerimônia de abertura. Maior nome da delegação brasileira em Kazan, o ginasta estará ausente devido aos treinos para o início da competição.

* O repórter viaja a convite da CBDU

A ponteira Amanda, da Seleção Brasileira feminina de vôlei, foi a escolhida pela Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) para ser a porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura da Universíade de Kazan, na Rússia. O evento será neste sábado, às 20h30 (13h30 de Brasília), na Kazan Arena, estádio do time de futebol Rubin Kazan, e uma das sedes da Copa do Mundo de 2018.

Em sua terceira participação na Universíade, Amanda briga por sua segunda medalha de ouro. Ela integrou a equipe campeã em Shenzhen-2011. Ao ser comunicada da indicação, a jogadora ficou surpresa pelo escolhido não ter sido o ginasta Arthur Zanetti, campeão nas argolas na edição chinesa do evento, e também nos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

- São tantos atletas. Todos que estão aqui poderiam ser escolhidos. Já participei de muitas competições, mas nunca tive a oportunidade de levar a bandeira. Já é uma emoção grande estar presente no desfile das delegações. Liderar o grupo brasileiro será ainda mais. Carregar a bandeira do país para o mundo ver é uma responsabilidade muito grande - disse Amanda, deixando no ar a possibilidade de sambar durante o trajeto dentro do estádio.

A jogadora de vôlei foi escolhida pela CBDU por conta da impossibilidade de Zanetti participar da cerimônia de abertura. Maior nome da delegação brasileira em Kazan, o ginasta estará ausente devido aos treinos para o início da competição.

* O repórter viaja a convite da CBDU