icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
13/11/2014
11:24

Um dia depois de o presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil, usar seu perfil no Twitter para proferir críticas e ofensas ao Juiz Federal André Gonçalves de Oliveira Salce, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) emitiram uma nota de repúdio contra as declarações do dirigente mineiro.

O documento condena a atitude do mandatário, que deverá ser processado civil e criminalmente por ameaçar um magistrado no cumprimento do dever e incitar a violência contra o Poder Judiciário.

Na última terça-feira, Kalil utilizou o perfil dele no Twitter para se manifestar sobre a decisão da Fazenda Nacional de bloquear a renda obtida pela equipe alvinegra com a venda de ingressos para o primeiro jogo da final da Copa do Brasil, em que o Galo saiu derrotou o Cruzeiro por 2 a 0 no Independência.

Declaração de Kalil na rede social (Foto: Reprodução/Twitter)


- Vou para o CNJ ver a vida deste b... Coitado do babaca! Acha que bloqueou a renda do Atlético. KKKKKKK!!! - escreveu o dirigente.

Confira a íntegra do documento das Associações dos Magistrados:

NOTA À IMPRENSA SOBRE DECLARAÇÕES DO PRESIDENTE DO CLUBE ATLÉTICO MINEIRO CONTRA O PODER JUDICIÁRIO  

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (AJUFE), a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA) vêm a público repudiar as declarações do presidente do Clube Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, realizadas ontem (11/11) na rede social Twitter contra o Juiz Federal André Gonçalves de Oliveira Salce, titular da 26ª Vara Federal de Belo Horizonte.  

Ao xingar e ameaçar o Juiz Federal por conta de decisão judicial proferida em desfavor do Clube Atlético Mineiro, Alexandre Kalil ofende o Poder Judiciário como um todo e desonra a história do centenário clube de futebol que atualmente preside.  

É inadmissível que o direito à crítica assegurado pela Constituição brasileira descambe para a prática de crimes contra o magistrado, que nada mais fez que cumprir fielmente seu dever de decidir um pedido formulado pela Procuradoria da Fazenda Nacional em processo de execução fiscal.  

A atitude irresponsável de achincalhar o Poder Judiciário numa rede social incita a população ao descumprimento das ordens judiciais, ao desrespeito às autoridades legitimamente constituídas e ao próprio Estado Democrático de Direito.  

As associações que subscrevem esta nota esperam que o atual presidente do Clube Atlético Mineiro seja responsabilizado civil e criminalmente pelas ofensas ora praticadas.    

Brasília, 12 de novembro de 2014.  

Antônio César Bochenek - Presidente da AJUFE  

João Ricardo dos Santos Costa - Presidente da AMB  

Paulo Luiz Schmidt - Presidente da ANAMATRA