icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni
04/07/2014
12:40

Não passar pela Bélgica e sair da Copa do Mundo antes da semifinal será motivo de frustração para Alejandro Sabella. Na manhã desta sexta-feira, o treinador da Argentina deixou claro que, na sua cabeça, não passa a possibilidade de ser eliminado neste sábado, no Mané Garrincha.

- Não chegar à semifinal seria uma enorme frustração - admitiu o comandante, que ponderou:

- Obviamente que resultado é o mais importante, mas em uma partida há outras coisas importantes além do resultado. É o mais importante, mas tem que ver outras coisas. Se está em um clube, ver se formou jogadores, se melhoraram os jogadores, se deixou uma base, se jogadores foram vendidos. Na seleção, é mais ou menos parecido, sempre falando que o resultado obviamente é muito importante. Muitas vezes, (...) se ganha, é fenômeno. Se perde, não serve para nada. Todos nós seres humanos somos contraditórios - lembrou.

O comandante azul e branco lembrou que a esperança na conquista do título mundial é enorme, mas é algo que não pode ser confundida com excesso de confiança. De acordo com Sabella, 'se achar' faz parte da essência do argentino.

- Sempre nós argentinos pensamos que somos mais do que somos. Algumas vezes isso é bom e outras vezes isso é ruim - lembrou o treinador, que ainda completou:

- Quando eu era menino, escutava que éramos os melhores e cresci acreditando que éramos os melhores do mundo. E nos cremos os melhores, faz parte da nossa cultura. Temos a esperança, a fé e a confiança de seguirmos em frente - lembrou.

O treinador da Argentina não negou a responsabilidade pela conquista do título mexa com a cabeça e a tranquilidade dos seus jogadores, mas negou que seja algo tão intenso quanto o que acontece com a SeleçãO Brasileira, que atua diante da torcida verde e amarelo.

- Nos lidamos com isso de uma maneira diferente. São duas grandes seleções, mas a pressão do Brasil é um pouco maior por jogar em casa. Esse é um peso que também é bom por um lado e ruim pelo outro. Nós alternamos momentos de 'relax' com momentos de concentração total, e isso tem funcionado para nós - finalizou.