icons.title signature.placeholder Bruno Grossi, Francisco Loureiro e Marcio Porto
16/04/2014
18:00

O resultado que já parecia encaminhado nas eleições presidenciais do São Paulo está sacramentado antes mesmo do início do pleito. O candidato da oposição, Kalil Rocha Abdalla, convocou a imprensa para comparecer ao Morumbi antes do início da votação e assim anunciar a desistência da disputa ao cargo de presidente. Com isso, Carlos Miguel Aidar foi eleito sucessor de Juvenal Juvêncio.

A decisão de Kalil encerraria o melhor desempenho da oposição nos últimos anos no São Paulo. Nas eleições de 2011, por exemplo, Edson Lapolla recebeu apenas sete votos dos conselheiros e foi derrotado de forma arrasadora por Juvenal. Para este ano, a expectativa de equilíbrio foi confirmada quando os sócios elegeram 31 novos membros do Conselho Deliberativo da chapa oposicionista, contra 49 da situação.

Durante entrevista ao LANCE!Net na tarde da última terça-feira, Marco Aurélio Cunha afirmou que alguns conselheiros já ensaiavam uma espécie de boicote ao pleito. Segundo o vice-presidente da oposição, a inserção da votação da reforma do Morumbi não foi bem aceita e uma reunião foi marcada na noite de terça para discutir estratégias.

- Não fui na reunião porque seria voto vencido. Por mim, todos votaríamos, deixaríamos eles ganharem na cobertura e aí teríamos três anos para ficar cobrando, perguntando "cadê a obra?". Mas entendo os conselheiros. Eles acreditam que a reforma é cara, que o São Paulo não deveria depender de um terceiro para cuidar da arena. Sem falar nos novos conselheiros que nunca participaram de nada - declarou Marco Aurélio.

* Atualizada às 18h50