icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo e João Matheus Ferreira
08/06/2014
08:00

As conversas para contar com o atacante Kléber, do Grêmio, avançaram nos últimos dias, e o acerto poderá ocorrer em breve. Porém, um ponto faz com que o contrato ainda não tenha sido assinado. Segundo o LANCE!Net apurou, o quesito que impede o acerto do Gladiador com o Vasco é o fato de os clubes ainda não terem chegado a um denominador comum quanto à divisão do pagamento do salário do jogador, que, atualmente, é de cerca de R$ 600 mil.

Além disso, também está em discussão a garantia de pagamento por parte do Cruz-Maltino. Por outro lado, o que pesa a favor do clube de São Januário as recentes saídas de alguns jogadores que não faziam parte dos planos, como os zagueiros Rodolfo e Renato Silva, desafogando na folha salarial do departamento.

Kléber chegaria por empréstimo até o fim da temporada, e a intenção da cúpula vascaína é que o contrato seja assinado nos moldes parecidos a de outros jogadores que também estão na Colina temporariamente, como é o caso do meia Douglas – o Corinthians paga metade dos vencimentos do camisa 10.

As partes ainda adotam cautela quanto ao assunto. Em contato com o LANCE!Net, o diretor-executivo de futebol Rodrigo Caetano disse apenas que não falaria sobre negociações em andamento.

O Vasco procurou se inteirar da situação de Kléber durante a última semana, quando a diretoria entrou em contato com o Grêmio, que sinalizou que não criaria empecilhos na transação.

O nome de Kléber estar ligado ao Cruz-Maltino não é novidade. No início deste ano, durante a pré-temporada, o atacante foi especulado no elenco de Adilson Batista, mas, na ocasião, não foi à frente.

Procura desde o início do ano

Kleber pode chegar para um setor que a diretoria procura um reforço desde o início do ano. O ataque sempre foi uma preocupação e aumentou ainda mais com a lesão de Edmilson e as constantes convocações de Thalles para a Seleção Brasileira de base.

A diretoria queria acertar com alguém ainda para o Carioca, mas as tratativas iniciadas não avançaram e não houve tempo hábil para o acordo antes de terminar o tempo de inscrição.

À época, Rodrigo Caetano admitiu a carência no elenco e avisou que a cúpula iria continuar procurando um camisa 9 visando a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil.