icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
22/08/2015
19:09

Com mais uma ótima exibição, Roger Federer conteve o ímpeto do embalado Andy Murray  e assegurou sua vaga na grande final do Masters 1000 de Cincinnati, nos Estados Unidos. Neste domingo, o suíço encara o sérvio Novak Djokovic na luta pelo seu sétimo título da competição.



O natural da Basileia precisou de 1h38min paravencer a disputa apertada contra o escocês em dois sets, parciais de 6/4 7/6 (8/6). Com a vitória, Federer amplia a vantagem no confronto direto contra o rival para 14 a 11. Já são cinco vitórias seguidas e ele não sabe o que é perder do britânico desde o Aberto da Austrália de 2013. Murray vinha embalado com oito vitórias seguidas no cricuito e título em Montreal no último domingo batendo Djokovic na final. 

Na partida de hoje, Federer encaixou 26 winners e cometeu 23 erros não-forçados contra 22 bolas vencedoras e 26 equívocos de Murray. Os dois sacaram muito bem o tempo todo e poucas chances de quebra surgiram na disputa que seguiu equilibrada do início ao fim.

Roger começou melhor a partida, desperdiçou dois break-points no primeiro game, mas quebrou no terceiro fazendo 2/1 e então foi só administrar a vantagem sacando bem para fechar por 6/4. O suíço não cedeu um break-point sequer em todo o jogo.

Na segunda etapa, à exceção do sétimo game, onde Murray salvou um break-point com bom saque, os dois confirmaram sem muitos problemas. A parcial então se arrastou ao tie-break, onde Roger pulou na frente com mini-break, foi levando à frente do placar até o fim e liquidou o jogo com winner de direita no segundo match-point, 7/6 (8/6).

Neste domingo, Federer faz a final em Cincinnati contra Novak Djokovic. Enquanto o suíço busca o sétimo título no torneio, o sérvio número um do mundo tenta vencer o únicoMasters 1000 que lhe falta para ser o primeiro tenista da história a conquistar o 'Career Golden Masters'. No histórico do confronto, muito equilíbrio: são 40 jogos e 20 vitórias para cada lado.

Com mais uma ótima exibição, Roger Federer conteve o ímpeto do embalado Andy Murray  e assegurou sua vaga na grande final do Masters 1000 de Cincinnati, nos Estados Unidos. Neste domingo, o suíço encara o sérvio Novak Djokovic na luta pelo seu sétimo título da competição.



O natural da Basileia precisou de 1h38min paravencer a disputa apertada contra o escocês em dois sets, parciais de 6/4 7/6 (8/6). Com a vitória, Federer amplia a vantagem no confronto direto contra o rival para 14 a 11. Já são cinco vitórias seguidas e ele não sabe o que é perder do britânico desde o Aberto da Austrália de 2013. Murray vinha embalado com oito vitórias seguidas no cricuito e título em Montreal no último domingo batendo Djokovic na final. 

Na partida de hoje, Federer encaixou 26 winners e cometeu 23 erros não-forçados contra 22 bolas vencedoras e 26 equívocos de Murray. Os dois sacaram muito bem o tempo todo e poucas chances de quebra surgiram na disputa que seguiu equilibrada do início ao fim.

Roger começou melhor a partida, desperdiçou dois break-points no primeiro game, mas quebrou no terceiro fazendo 2/1 e então foi só administrar a vantagem sacando bem para fechar por 6/4. O suíço não cedeu um break-point sequer em todo o jogo.

Na segunda etapa, à exceção do sétimo game, onde Murray salvou um break-point com bom saque, os dois confirmaram sem muitos problemas. A parcial então se arrastou ao tie-break, onde Roger pulou na frente com mini-break, foi levando à frente do placar até o fim e liquidou o jogo com winner de direita no segundo match-point, 7/6 (8/6).

Neste domingo, Federer faz a final em Cincinnati contra Novak Djokovic. Enquanto o suíço busca o sétimo título no torneio, o sérvio número um do mundo tenta vencer o únicoMasters 1000 que lhe falta para ser o primeiro tenista da história a conquistar o 'Career Golden Masters'. No histórico do confronto, muito equilíbrio: são 40 jogos e 20 vitórias para cada lado.