Fernando González e Nicolas Massú medalhistas de ouro em Atenas 2004

Arquivo: Emol

Tênis News
02/08/2016
18:19
São Paulo (SP)

Está longe de deixar de ser polêmica o confronto entre Chile e Colômbia. Após o abandono de Santiago Giraldo e do manifesto contra a federação e governo do Chile assinada pelas estrelas do tênis, a federação colombiana foi à ITF.

Em comunicado enviado à imprensa a Federação Colombiana explicou ponto a ponto todas as reclamações enviadas à federação Internacional e Tênis (ITF) rechaçando a própria derrota diante do Chile, em Iquique.

A primeira contestação é de que o árbitro que comandou o confronto obrigou as duas equipes a jogarem em uma quadra sem condições, que ameaçava a integridade física dos jogadores e que o árbitro demonstrou total desconhecimento do regulamento da Copa Davis.

Os colombianos reclamam que a Federação Chilena de Tênis (FCT) não cumpriu a regra de disponibilizar a quadra central de confronto e uma auxiliar para treinamentos. A FCT disse à época que em virtude das fortes chuvas na região era impossível treinar na quadra do confronto visando preservá-la.

Ainda em sua demanda os colombianos citam o presidente da FCT, Ulises Cerda, o capitão chileno, Nicolas Massú e o medalhista olímpico Fernando González e o ex-número um do mundo Marcelo Ríos, auxiliar de Massú, como chilenos que reconheceram publicamente os riscos de se jogar em tal quadra.

A FCT ainda deixa claro à ITF que optou por não punir Santiago Giraldo por abandonar o jogo sem estar lesionado, pois reconhece as más condições da quadra chilena e faz questão de apontar que a empresa de Sergio Elías, membro do Conselho Diretivo da ITF, foi responsável pela construção da quadra.