Rafael Nadal (Foto: Andy Rain/EFE)

"Rei do saibro", Nadal é o adversário de Monaco nesta noite, justamente no piso que o consagrou (Foto: MARWAN NAAMANI/AFP)

TÊNIS NEWS
11/02/2016
14:53
BUENOS AIRES (ARG)

Juan Monaco voltou ao circuito após seis meses, no ATP de Buenos Aires, e, após vencer Marco Chechinatto, enfrentará o amigo e principal favorito ao título, o espanhol Rafael Nadal. No entanto, ele só quer aproveitar a volta, após a incerteza sobre voltar a fazer o que mais ama.

"Tinha muito temor sobre como iria evoluir [a recuperação do pulso], muitos tenistas operaram a mesma coisa e não puderam voltar a jogar, como Guillermo Pérez Roldán, que é meu amigo e veio de Tandil [mesma cidade de Juan Martín Del Potro], e isso me deixava louco”, relatou Monaco, lembrando meses difíceis. “Passei um tempo de incerteza bastante grande, mas aproveitei para crescer como ser humano, fazendo coisas que me tiraram da bolha que é o tênis”.

Perguntado sobre quando tinha tomado a decisão de operar a munheca, ele explicou: “O problema sempre foi na mesma região. Nos últimos três anos, vinha tomando infiltrações a cada início de série de torneios e antes dos jogos da Copa Davis. Estava passando muito mal, conviver com a dor todos os dias não é fácil, quando se trata de trabalho, mas chegou um momento em que me acostumei a viver incomodado [com a contusão]. Quando um jogador está no meio de viagens, com o circuito a pleno vapor, não quer parar, seja por que tem um calendário a cumprir ou por que se sente bem. Eu sabia que devia operar e que pararia por seis ou sete meses, pois, com as infiltrações, encurtaria minha carreira. É muito difícil que um tenista de primeiro nível saia de uma partida sem dores em algum lugar, é um esporte que exige muito do jogador. Desde os quinze anos, treino cinco horas por dia, entre quadra e físico. Sou muito agradecido por ter tido problemas apenas neste pulso”.

“Depois da operação, não voltei a sentir nada. Vou dormir sem dores e juro pra você: sinto uma felicidade enorme”, expressou o felicíssimo Monaco, que ainda disse ter 'começado a carreira novamente'.

“Sim, cem por cento. Estou mais tranquilo, vejo as coisas de outra maneira. Pude perceber, neste tempo fora, que o tênis não é tudo na vida. Tenho uma família linda, milhões de amigos e vários projetos pessoais que descobri e que me fazem ver a vida de outra forma.

“Comecei a fazer Yoga, algo que me meu corpo necessitava, e também um pouco de meditação. Tenho mais cuidado com a alimentação, mais conhecimento de tudo. Estar tanto tempo fora limpou minha cabeça”.

Após a operação, ele disse quais são seus objetivos, mas foi bem modesto, para um jogador que chegou a ser número 10 do mundo, em 2012. “O primeiro [objetivo] é inserir-me novamente na rotina de viajar, jogar, me recuperar, treinar todos os dias. Há muito tempo não faço isso tudo, e preciso sentir como é, novamente. Tenho que voltar ao mundo do tênis, e esse é um caminho longo”.

Por último, o argentino explicou como encara o confronto desta noite, contra o temido Rafael Nadal. “Sim, é um grande desafio jogar contra o maior da história do saibro, mas me preparei muito bem para este torneio, sabendo que alguns dos melhores do mundo estariam jogando e eu poderia enfrentá-los. Vou dar meu melhor, tenho consciência de que ainda me falta ritmo, será apenas minha segunda partida depois de sete meses, mas jogarei sem pressão”.

“De agora em diante, tudo que vier, para mim, é lucro”, finalizou Monaco.