Zagueiro Everson, do Bahia

Garoto de 19 anos realiza sonho e vai vestir a amarelinha pela primeira vez na carreira (Foto: Divulgação/Bahia)

RADAR/LANCE
24/09/2016
15:31
Rio de Janeiro (RJ)

Nascido em Salvador, o garoto Everson, de 19 anos, é zagueiro da base do Bahia e, agora, também da Seleção Brasileira sub-20. Apontado como um dos grandes talentos da nova safra do futebol brasileiro, o jovem vem superando expectativas e escrevendo sua história no futebol de forma brilhante. Há pouco mais de um ano no tricolor, Everson vem se consolidando cada vez mais. O maior reconhecimento, até então, de sua trajetória veio nesta sexta-feira (23/9), quando seu nome apareceu na lista de atletas que representarão o Brasil no Quadrangular de Seleções, torneio preparatório para o Sul-Americano sub-20 a ser disputado em Talca, no Chile, no mês de outubro. “Maravilhado” com a oportunidade, o defensor não escondeu a alegria e prometeu representar bem o Nordeste.

- É uma alegria muito grande. Aposto que Sussuarana [bairro] está em festa. Pelo que tenho recebido de mensagens, o pessoal está tão feliz quanto eu. Isso é muito bom, porque nos fortalece para chegar bem à Seleção e conseguir fazer um trabalho de qualidade. Confio no meu potencial, e ter sido o único atleta, dentre todos os clubes do Nordeste, escolhido para vestir a Amarelinha é muito gratificante. Vou estudar os adversários, me dedicar em todos os treinos, absorver o máximo de instruções da comissão técnica e fazer tudo que estiver ao meu alcance para representar bem a camisa da Seleção – disse.

Se, para parte da torcida, a escolha do técnico Rogério Micale foi surpresa, para outros nem tanto. Há pouco menos de um ano, em outubro de 2015, o treinador Sérgio Soares, então técnico do Bahia – atualmente no Ceará – já o via com bons olhos.

- Rápido, bom na bola aérea, boa antecipação e sabe sair jogando. Tudo o que o zagueiro precisa, o Everson tem. Esse menino vai jogar na Seleção – falou. E Se cumpriu! Agora, Everson só pensa em começar bem e fazer um belo papel com a camisa do Brasil neste Quadrangular de Seleções.

- É uma oportunidade de ouro, né? Posso dizer que é a realização de um sonho, mas não posso parar por aqui. Se eu trabalhei tanto para chegar, não é agora que vou descansar. Tenho que pegar ainda mais firme, porque o nível de competitividade é altíssimo. Tenho consciência disso e meu pensamento é iniciar minha história com a camisa da Seleção da melhor forma possível. Sabemos que é uma preparação para o Sul-Americano, então temos que encarar com muita seriedade para não sermos surpreendidos por uma ou outra seleção. O professor Micale já comprovou ser muito capacitado, levando o Brasil a uma medalha de ouro inédita nas Olimpíadas. Então, tenho total confiança que faremos um grande trabalho e estou na expectativa para aprender muito com ele. Espero evoluir ainda mais com esta convivência.