Argentina criador de música

Patricio e seu amigo em jogo da Argentina na Copa do Mundo no Brasil (foto: arquivo pessoal)

Felipe Bolguese
12/11/2015
07:45
Enviado Especial a Buenos Aires (ARG)

Você pode não saber quem é Patricio Scordo, mas certamente ficou por um bom tempo com sua música na cabeça. "Decime que se siente" ganhou os estádios, bares, escolas, universidades e qualquer lugar em que se falasse de futebol em 2014 - reconhecimento pela criatividade e ousadia de alguns argentinos que se aventuraram na última Copa do Mundo.

Quase um ano e meio depois de brincar que o Brasil "tener en casa a tu papá", o torcedor será um dos milhares de anfitriões nesta sexta à noite (o jogo foi adiado nesta quinta por conta da chuva) no Monumental de Núñez, em Buenos Aires, às 22h (de Brasília), no duelo da Seleção Brasileira contra Argentina, pelas Eliminatórias da Copa de 2018. Encontrado pelo LANCE! na capital argentina, ele espera que sua canção seja lembrada nas arquibancadas.

- Acredito que vão cantar a música em algum momento da partida. Sobretudo, se o resultado estiver favorável, espero que tome o estádio inteiro por muito tempo, para fazer uma grande pressão - disse, sem esconder a preocupação pelas ausências de Messi, Agüero e Cia., além da obrigação de vitória argentina após uma derrota e um empate nas duas primeiras rodadas.


- Não estamos acostumados a jogar sem Messi, Agüero, Tevez... Mas Argentina contra Brasil é sempre favorita (risos). Esperamos ganhar e somar pontos. Nos dois primeiros jogos, não fomos bem. Temos que somar três pontos porque somos mandantes - ressaltou.

Scordo, 32 anos, é administrador de empresas e fanático pelo Boca Juniors. Os créditos da canção são dele e de outro amigo, Ignacio Harraca. Ambos se conhecem desde os três anos de idade e, em um encontro da turma do colégio, em março do ano passado, a ideia nasceu.


"Argentina contra Brasil é sempre favorita (risos). Esperamos ganhar", 
diz o torcedor



Após novas frases e mudanças, a versão final ficou pronta às vésperas da Copa e começou a ser viralizada através da internet. Os "hermanos" também imprimiram folhetos para, então, levar ao Brasil e tornar o Mundial inesquecível. A repercussão foi tão grande que tomou conta do vestiário da própria seleção argentina.

- Um dia antes da estreia da Argentina no Maracanã, foi realizado um bandeiraço de apoio à seleção argentina em Copacabana. Os torcedores estavam cantando as mesmas músicas de sempre, não aguentávamos mais... Quando houve um silêncio, nos aproximamos de um rapaz que tinha um bumbo e eu e meus amigos começamos a cantar "Decime que se siente". Estávamos em oito. Automaticamente, outros nos acompanharam, todos pegaram os folhetos, e então cantamos por 40 minutos seguidos a música na praia de Copacabana. Dali pegou nos jogos e em todos os lugares.


Desafiado pelo L! a fazer uma nova canção para receber o Brasil em Buenos Aires, o torcedor disse que "não é tão simples assim". Depois do jogo, então, procure a reportagem e "decime que se siente".

Brasileiros apelaram em resposta

Após o sucesso do hit argentino, alguns torcedores brasileiros responderam nas arquibancadas durante a Copa do Mundo. A letra "Mil gols! Mil gols! Mil gols! Mil gols! Mil gols! Só o Pelé! Só o Pelé! Maradona cheirador!", foi cantada para rivalizar com a "Decime que se siente", lembrando do problema do ex-craque argentino com a cocaína.

Na Copa, a grande crítica em relação aos brasileiros era pela falta de empolgação e de identidade com a Seleção. O canto "Eu sou brasileiro, com muito orgulho... E muito amor" foi o mais tradicional desde a Copa das Confederações de 2013.

Argentina criador de música
Patricio recebeu o LANCE! em Buenos Aires (foto: Felipe Bolguese)


BATE-BOLA
Patricio Scordo, torcedor argentino e criador de "Decime que se siente"


Como será ver Neymar atuando na Argentina? Ele pode superar Messi?
Eu gosto muito de ver Neymar jogar, me diverte muito, mas não está à altura de Messi. O melhor jogador do mundo é argentino (risos). É uma pena que ele não esteja nessa partida, mas vamos tentar anular Neymar para ganhar a partida.

A Copa foi sua maior experiência da vida?
A Copa no Brasil foi espetacular. A música foi um plus, mas ter um Mundial organizado por um país como Brasil, com a cultura do futebol, perto da Argentina... Foi uma alegria muito grande do país, sentimos isso, foi uma combinação perfeita. Acho que nunca teve uma Copa tão alegre e divertida assim.Seguramente, na Rússia-2018 eu estarei. É uma experiência única, sensacional. Não sei se será tão bom como no Brasil, que tem uma cultura do futebol. Mas eu quero ir (risos).

Como foi criada a canção?
Quando decidimos ir ao Mundial do Brasil, conversamos que estávamos cansados das músicas que eram cantadas para apoiar a seleção argentina. Era sempre a mesma coisa, cansativa... Então decidimos fazer algo diferente, que reflete o espírito do torcedor argentino, que sempre foi criativo. Por que não fazer uma canção que se cante em todo Brasil? A letra foi escrita pelo meu amigo em casa. A gente teve mais ideias para mudar, incluir... Sabíamos que tínhamos que citar Messi, Maradona e o fato de que haveria muitos argentinos no Brasil para a Copa. Fomos retocando algumas coisas até surgir a versão final.

O que acharam dela ser cantada por todo mundo na Copa?
Na partida contra a Nigéria, a Argentina começou ganhando cedo, então todos cantaram a música desde os primeiros minutos. Estava no coração dos torcedores. Transformou-se em um hit. Quando a Argentina se classificou para as oitavas de final, vimos que a música também era cantada entre os jogadores. Já estava consagrada. Quisemos dar ao nosso país e à nossa seleção algo diferente, acho que fizemos algo lindo. Deu força à seleção, nos permitiu chegar à final. Lamentavelmente, não pudemos ganhar, mas foram ótimas lembranças.

Como vê a repercussão no Brasil até hoje, com torcidas adaptando sua música para os clubes brasileiros?
Ficamos muito felizes com o sucesso da música, por ter sido um sucesso com os torcedores e com os próprios jogadores da seleção. Tomou proporções que não esperávamos. Cantam em clubes brasileiros, espanhóis, argentinos... Estamos orgulhosos. Isso nos diverte, porque fizemos a música com alegria, com objetivo de apoiar a Argentina, não ser contra nada nem ninguém. Nunca quisemos ser ofensivos, mas sim divertir e entrar para o folclore do futebol.

Argentina criador de música
A letra que virou hit


A MÚSICA: DECIME QUE SE SIENTE

"Brasil decime que siente
Tener en casa a tu papá
Te juró que aunque pasen los años
Nunca nos vamos a olvidar,
Que el Diego los gambeteó
Y el Cani los vacunó
Tan llorando desde Italia hasta hoy
A Messi los van a ver
la copa nos va a traer
Maradona es más grande que Pelé"



TRADUÇÃO:

"Brasil, diga-me o que sente
Em ter em sua casa teu papai
Te juro que mesmo que passem os anos
Nunca vamos nos esquecer
Que Diego os driblou
E Cannigia os alfinetou
Estão chorando desde a Itália até hoje
Messi vocês vão ver
A Copa nos vai trazer
Maradona é maior do que o Pelé"