Marcio Porto
02/08/2016
06:30
São Paulo (SP)

Sem Edgardo Bauza no comando técnico, a diretoria do São Paulo pode mudar o curso do destino de Ricardo Centurión. Depois de ter a contratação dada como certa pelo Boca Juniors (ARG), o camisa 20 pode permanecer no elenco do Tricolor, a depender de uma decisão em conjunto com a nova comissão técnica.

Os dirigentes já haviam dado alerta a Patón sobre os perigos de liberar Ricky ao clube xeneize. Os cartolas citaram a dificuldade de encontrar novos atacantes no mercado e a utilidade do argentino para um elenco carente no setor ofensivo.

Uma reunião com o treinador estava prevista para os próximos dias, justamente para expor tais argumentos. Bauza havia dito que não barraria a saída de Centurión, mas com sinal positivo da diretoria como condicional. Com a ida do técnico para a seleção argentina, a análise dos cartolas pode ser reforçada. Neste momento, o clube pretende preservar o auxiliar Pintado e pode ter André Jardine como interino na quinta-feira, contra o Atlético-MG, pelo Brasileiro - Jardine comanda o vencedor time Sub-20. 

Além de mostrar potencial maior como centroavante – tem quatro gols e duas assistências em sete partidas na função –, Ricky mostrou entrega diante da Chapecoense e nos últimos treinos, mesmo perto de sair, contou o diretor-executivo Gustavo Vieira de Oliveira.

Sem Patón, a visão é de que a insistência com Centurión mesmo em momentos ruins do jogador será menor. E, sem esse protagonismo, o atacante poderia render melhor. A novela, então, ainda pode se estender.

 
Além de Centurión, dois argentinos estão no grupo do São Paulo: o lateral-direito Buffarini e o atacante Andres Chavez, ambos contratados por pedido do técnico. Com relação a Buffarini, a diretoria está convicta de que trata-se de um grande jogador independentemente do técnico em uma posição carente no futebol brasileiro. Chavez ainda requer mais atenção, mas também pode ser importante.