Cassius e David Braz

Cassius e David Braz se "conhecem" desde 2007, quando se encontraram no aeroporto (FOTO: Divulgação)

Léo Saueia
20/04/2016
18:45
São Paulo (SP)

Revelado nas categorias de base do São Paulo, o zagueiro Cassius, hoje no Santos B, não tinha idolatria por nenhum tricolor na infância.  O nome que chamava a atenção do jovem garoto, que sonhava em se tornar profissional, era o de David Braz, então no Flamengo.

Em 2007, Braz era constantemente convocado para defender a Seleção Brasileira de base. Em uma das inúmeras viagens que realizou com a delegação canarinho, Braz foi perseguido pelo jovem fã. No aeroporto, Cassius foi em busca do ídolo e registrou o momento com uma foto e um sincero pedido de autógrafo.

Quis o destino que, nove anos depois, após rodar por diversos clubes e superar uma séria lesão no joelho, o adulto Cassius e o experiente David Braz se reencontrassem. Ídolo e líder do elenco do Peixe, Braz serve de espelho para o garoto que sonha em se firmar no clube. Defendendo o Santos B, Cassius foi relacionado pela primeira vez para defender a equipe principal.

- Ele acabou se tornando um grande amigo para mim. Tenho ele como parâmetro, mas também pela pessoa que ele é, porque o que ele me ajudou aqui, a força que ele me deu, foi sensacional. Por ele ser da minha posição, a gente tem um contato ainda maior, ele me ajuda muito - conta Cassius, ao LANCE!

Para seguir os mesmos passos do ídolo e companheiro, Cassius absorve todo tipo de conselho que recebe dos mais experientes jogadores do elenco, inclusive do centroavante Ricardo Oliveira. Por conta da ausência dos titulares, que nem sequer viajaram ao Amapá, o defensor pode ter a primeira chance no time. Chance essa que pode mudar sua rotina de treinamentos dentro do CT Rei Pelé.

- Tenho me esforçado bastante, ganhando meu espaço aos poucos. Graças a Deus fui convocado para o jogo de quinta, primeira oportunidade. Abriu essa brecha, e se tiver chance, espero ganhar meu espaço e também fazer minha história aqui dentro, assim como ele - destacou.

Quis o destino que ídolo e fã se reencontrassem nove anos depois. Agora cabe ao sonhador Cassius fazer por merecer treinar - e jogar!- ao lado de sua inspiração na defesa.

- Torço para isso. Se Deus quiser já fico aqui de vez.