Léo Saueia
16/12/2016
07:05
São Paulo (SP)

Entre os três reforços contratados pelo Santos para a próxima temporada, o nome do zagueiro Cleber é, sem dúvidas, quem mais agradou à torcida alvinegra. Prova disso é que, mesmo de madrugada, um grupo de torcedores foi ao aeroporto receber com festa o defensor. O jogador desembarcou em São Paulo na manhã da última quinta-feira.

Entre fotos e abraços com os torcedores no caminho para o carro no Terminal 3 de Guarulhos, Cleber encontrou tempo para atender a reportagem do LANCE!. Surpreso pela presença dos torcedores e empolgado com o novo desafio na carreira, o zagueiro disse não entender a falta de oportunidades no Hamburgo, mas garante que estará em plenas condições físicas na pré-temporada.

- Não joguei os últimos três jogos da Bundesliga. Não estava jogando, infelizmente, por algumas questões privadas do clube, do treinador. Eu não sei porque. E o treinador que escolhe, mas eu estava sempre disponível. A Adaptação vai ser rápida aqui, é só ficar tranquilo, treinar duas ou três semanas e já era - explicou o zagueiro.

Determinado a deixar a Alemanha e retornar ao futebol brasileiro, Cleber teve a oportunidade de fechar com o Atlético-MG em vez de transferir-se à Vila Belmiro. Mesmo com uma proposta financeiramente mais vantajosa do Galo, o zagueiro de 26 anos ignorou o dinheiro e preferiu a oportunidade de atuar com Dorival Júnior.

Apesar do pesado investimento feito pelo Santos, que desembolsou cerca de R$ 7,4 milhões em sua contratação, Cleber prega humildade e não se vê com o status de titular. O primeiro passo é trabalhar e buscar entrosamento com os companheiros. A concorrência com David Braz, Noguera e Lucas Veríssimo, enquanto Luiz Felipe e Gustavo Henrique se recuperam de lesão, será sadia.

- Ninguém assina contrato para vir como titular. Precisa trabalhar, e vou trabalhar com meus companheiros. Espero chegar tranquilo, me entrosar o mais rápido possível para que possamos todos juntos ajudar o Santos.

Se a última temporada na Alemanha não deixará saudades, o zagueiro chega com rótulo de "cascudo", característica que a diretoria gosta e procura para a Libertadores. O tempo justificará as escolhas de Santos e Cleber.

Confira um bate-bola exclusivo com o novo zagueiro do Santos:

Estava esperando essa recepção de alguns torcedores?
Para mim, é um clima legal, clima diferente. Estou feliz por mais uma vez sentir esse clima maravilhoso do Brasil, com essa torcida me recebendo dessa maneira na minha chegada. Estou muito feliz, muito contente e espero poder responder dentro de campo, fazer meu trabalho e fazer com que tudo aconteça da melhor maneira possível aqui no Santos.

Você teve papel fundamental nas negociações, até mesmo participando em reuniões. O que te motivou a deixar o Hamburgo?
Eu tinha interesse muito grande em sair do clube, acho que não estávamos em um momento muito bom. Algumas coisas privadas aconteceram, mas agora é focar nisso aí no Santos. Estou muito feliz de vir para cá, um grande clube que abriu as portas para mim, me deu uma oportunidade muito boa e agora tenho que fazer meu trabalho.

Como será para você trabalhar com o Dorival? Ele pede sua contratação desde o começo do ano.
Para mim vai ser maravilhoso. Saber que um treinador como Dorival cogita minha presença no time... Estou aqui para somar e espero que tudo isso dê certo e que eu possa corresponder às palavras dele. Espero ajudar ele da melhor maneira possível, não só ele como o clube todo também.

Você teve proposta mais vantajosa financeiramente do Atlético-MG. O que pesou na sua escolha?
Tem esse lado financeiro e essas coisas, mas a gente vê mais pelo carinho, pela torcida, pelo ambiente do clube, pelo clima bom. Então achei melhor, por mim e por ter minha família perto, vir para o Santos. Acho que isso é uma referência para mim, um clube que tem uma história maravilhosa. Tem proposta, mas preferi vir para cá, vir para o Santos. Agora é fazer com que dê certo.