Fellipe Lucena e Thiago Ferri
28/10/2016
07:05
São Paulo (SP)

“Precisamos resgatar a grandeza desse clube.” Essa foi uma das frases da famosa preleção de Zé Roberto, no início de 2015, quando o Palmeiras iniciava sua reestruturação e ainda vivia fase tenebrosa em clássicos: acumulava seis derrotas e dois empates nos últimos jogos contra os rivais estaduais. Com as derrotas para Corinthians e Santos na primeira fase do Paulistão do ano passado, a série chegou aos dez jogos sem vencer.

Mas o Verdão chega ao duelo deste sábado, contra o Santos, na Vila, em situação totalmente diferente. Um dos legados da grande reformulação comandada por Alexandre Mattos no início de 2015 é a volta do respeito dos maiores rivais. E atletas experientes, como o próprio Zé Roberto, contribuem para isso.

– Nosso elenco tem jogadores experientes, no sentido de terem jogado em grandes clubes. Quando você tem muitos jogadores neste perfil, todos entendem a importância do clássico, que se define em detalhes, em disciplina tática, o motivacional às vezes te impulsiona a ir para cima do adversário, em vez de respeitar por ser um clássico – analisou Zé.

Aquele jejum de dez partidas acabou no terceiro clássico de 2015: vitória por 3 a 0 sobre o São Paulo. O rival do Morumbi ainda foi derrotado mais três vezes de lá para cá e só conseguiu superar o Palmeiras uma vez, no primeiro turno deste Campeonato Brasileiro, além de um empate.

Depois de perder para o Corinthians no primeiro Dérbi de 2015, o Verdão também passou a dominar: venceu quatro vezes – duas no Brasileirão deste ano – e empatou duas.

Contra o Peixe, o equilíbrio é maior. Do início de 2015 até agora, são quatro vitórias alvinegras, três vitórias alviverdes e três empates. Em contrapartida, foi contra o rival praiano que o Palmeiras faturou a Copa do Brasil de 2015.

– O Palmeiras conseguiu entender que clássicos são jogos diferentes – pontuou o camisa 11.

Dos 23 clássicos disputados pelo Palmeiras desde o início do ano passado, quando chegou ao clube, Zé Roberto esteve em 17 e marcou um gol, nos 2 a 0 sobre o Corinthians em Itaquera, em 2015.