Thiago Ferri
29/12/2016
15:40
São Paulo (SP)

Dependendo apenas de últimos detalhes burocráticos para finalizar a rescisão de contrato com o São Paulo, Michel Bastos espera ficar pouco tempo sem clube. De acordo com o empresário do meia, a intenção é definir o futuro do atleta de 33 anos na primeira semana de janeiro. O Palmeiras é um dos clubes com quem negocia.

- Faltam apenas questões burocráticas para resolvermos (com o São Paulo). Queremos definir onde o Michel vai jogar logo, nossa intenção não é fazer mistério. Esperamos que entre o dia 2 ou 3 (de janeiro) já esteja tudo definido - explicou Emmanuel De Kerchove, ao LANCE!.

Michel tinha contrato até o fim de 2017 e abriu mão de uma dívida que o clube do Morumbi tinha com ele para acelerar sua saída. O agente do jogador chegou a buscar ofertas na França (ele jogou entre 2006 e 2013 por Lille e Lyon), mas nenhuma proposta agradou. Por isso, Michel deve seguir no Brasil e jogar a Libertadores do ano que vem.

O clube escolhido ainda não foi divulgado. O Santos já mostrou interesse, enquanto o Palmeiras monitora Michel há alguns meses. Verdão e Tricolor tentaram uma troca envolvendo Rafael Marques durante o Brasileiro, mas o negócio não avançou.

Nesta janela de fim de ano, o atual campeão brasileiro já contratou para o meio-campo: Hyoran, Raphael Veiga e Guerra, além de não ter perdido jogadores. Apesar da alta concorrência, o empresário de Michel vê com bons olhos o atual campeão brasileiro.

- O ideal dos casos é continuar morando em São Paulo, mas este não vai ser o único ponto levado em consideração. O Palmeiras vai disputar 70, 80 jogos no ano que vem, terá um calendário longo. É muito jogo. Um time como o Palmeiras entra em todos os campeonatos para ganhar, e por isso precisa um elenco grande. Pensamos (na concorrência), mas o Michel sabe que não tem vaga garantida em lugar nenhum e jogará quem estiver em melhor momento - completou.

Michel Bastos chegou ao São Paulo em 2014 e teve início muito bom. Depois de terminar 2015 em baixa, já com algumas rusgas com a torcida, ele teve seus últimos momentos de brilho no clube na Libertadores deste ano. Depois, voltou a cair de rendimento e viu a relação azedar de vez quando a torcida organizada invadiu o CT e o agrediu. Foram 121 jogos e 22 gols.