icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
31/08/2015
08:00

Gabriel Jesus, mais do que nunca, é a sensação do Palmeiras. Titular nos últimos dois jogos, o jovem de 18 anos de idade marcou dois gols contra o Cruzeiro e outros dois contra o Joinville e tem recebido elogios de todos. Fernando Prass e Rafael Marques, que estão entre os mais experientes do elenco, endossaram o coro, mas alertaram para o risco causado pelo oba-oba.

- Não é que ele está iluminado. É que ele é um excelente jogador. Sempre falamos, desde o início do ano, que é uma joia rara. Precisamos ajudá-lo para que não aconteça nenhuma euforia. Mais da parte de fora, porque é um garoto com a cabeça muito boa. Convivemos com ele e sabemos como é tranquilo - exaltou Rafael Marques, que perdeu a vaga para o garoto.


O camisa 19 costuma comparar a situação do prodígio palmeirense com a de Vitinho, que começou sua trajetória na equipe profissional do Botafogo com destaque, em 2013. Os jogadores mais experientes do grupo alvinegro se preocupavam em blidá-lo. Hoje aos 21 anos, o atacante pertence ao CSKA (RUS) e joga por empréstimo pelo Internacional.

- Além de ser um cara também muito bacana, o Vitinho não tinha a maturidade que tem o Gabi. O Gabi é um cara muito tranquilo, muito ciente, muito pés no chão. O Vitinho também era, mas blindávamos muito mais porque sabíamos como ele era empolgado. Mas era muito parecido, até porque é um garoto ainda. Já vivi essa fase de tudo que acontece é maravilhoso, euforia, não queremos que aconteça com o Gabi - comparou.

- Quem está no futebol entende isso, e quem está fora também precisa entender. Hoje é ele que está decidindo em termos de gols, amanhã vai ser o Rafa, o Barrios, o Alecsandro. Cada um vai ter o seu momento, e neste momento é fácil de apoiar. Não é querendo secar, mas o Gabriel vai passar por momentos difíceis, em que a bola vai pegar na canela e não vai entrar. Ele tem de ter essa percepção de que isso é normal, acontece. É um menino muito tranquilo, trabalhador. Pelo que vejo, não terá problema de faltar humildade e subir na cabeça. O que pode acontecer é problema técnico, normal para um menino de 18 anos - acrescentou Prass.

Se depender do discurso de Gabriel Jesus, seus colegas podem ficar tranquilos. Ele promete que não vai se deixar levar pela euforia e tem uma grande aliada para isso.

- Além de eu ter amigos que me apoiam, tenho uma família muito boa. Minha mãe, meu irmão, meus sobrinhos me ajudam muito. Sou um garoto muito tranquilo, não gosto de ficar saindo, prefiro ficar em casa. Acho difícil acontecer isso (euforia). Se acontecer minha mãe está ali para puxar a orelha e fazer eu retomar o caminho - disse.

Gabriel Jesus, mais do que nunca, é a sensação do Palmeiras. Titular nos últimos dois jogos, o jovem de 18 anos de idade marcou dois gols contra o Cruzeiro e outros dois contra o Joinville e tem recebido elogios de todos. Fernando Prass e Rafael Marques, que estão entre os mais experientes do elenco, endossaram o coro, mas alertaram para o risco causado pelo oba-oba.

- Não é que ele está iluminado. É que ele é um excelente jogador. Sempre falamos, desde o início do ano, que é uma joia rara. Precisamos ajudá-lo para que não aconteça nenhuma euforia. Mais da parte de fora, porque é um garoto com a cabeça muito boa. Convivemos com ele e sabemos como é tranquilo - exaltou Rafael Marques, que perdeu a vaga para o garoto.


O camisa 19 costuma comparar a situação do prodígio palmeirense com a de Vitinho, que começou sua trajetória na equipe profissional do Botafogo com destaque, em 2013. Os jogadores mais experientes do grupo alvinegro se preocupavam em blidá-lo. Hoje aos 21 anos, o atacante pertence ao CSKA (RUS) e joga por empréstimo pelo Internacional.

- Além de ser um cara também muito bacana, o Vitinho não tinha a maturidade que tem o Gabi. O Gabi é um cara muito tranquilo, muito ciente, muito pés no chão. O Vitinho também era, mas blindávamos muito mais porque sabíamos como ele era empolgado. Mas era muito parecido, até porque é um garoto ainda. Já vivi essa fase de tudo que acontece é maravilhoso, euforia, não queremos que aconteça com o Gabi - comparou.

- Quem está no futebol entende isso, e quem está fora também precisa entender. Hoje é ele que está decidindo em termos de gols, amanhã vai ser o Rafa, o Barrios, o Alecsandro. Cada um vai ter o seu momento, e neste momento é fácil de apoiar. Não é querendo secar, mas o Gabriel vai passar por momentos difíceis, em que a bola vai pegar na canela e não vai entrar. Ele tem de ter essa percepção de que isso é normal, acontece. É um menino muito tranquilo, trabalhador. Pelo que vejo, não terá problema de faltar humildade e subir na cabeça. O que pode acontecer é problema técnico, normal para um menino de 18 anos - acrescentou Prass.

Se depender do discurso de Gabriel Jesus, seus colegas podem ficar tranquilos. Ele promete que não vai se deixar levar pela euforia e tem uma grande aliada para isso.

- Além de eu ter amigos que me apoiam, tenho uma família muito boa. Minha mãe, meu irmão, meus sobrinhos me ajudam muito. Sou um garoto muito tranquilo, não gosto de ficar saindo, prefiro ficar em casa. Acho difícil acontecer isso (euforia). Se acontecer minha mãe está ali para puxar a orelha e fazer eu retomar o caminho - disse.