Paulo Nobre

Novo presidente do Palmeiras ao lado de Nobre, que não se dá bem com Leila Pereira (Foto: Cesar Greco)

LANCE!
21/12/2016
20:32
São Paulo (SP)

Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras, chamou de "probleminha" a crise política causada pela possível impugnação da candidatura de Leila Pereira, dona da Crefisa, a uma vaga no Conselho Deliberativo do clube. De acordo com o mandatário, a questão não deve impedir a renovação do contrato de patrocínio no fim de janeiro.

- O relacionamento com a Crefisa é muito bom, podemos acalmar o torcedor palmeirense. O nosso relacionamento com o José Roberto e com a Leila é muito bom. Temos um probleminha agora para resolver, mas não vou tratar com vocês (imprensa), vamos tratar internamente. Com o patrocinador, está tudo bem. Sem problema nenhum - disse Maurício Galiotte, à Fox Sports.

- Sim, eu confio. Na primeira ou segunda semana de janeiro, estou muito otimista que o contrato com a Crefisa seja renovado sem problema - acrescentou o dirigente, que está em Assunção para acompanhar o sorteio dos grupos da Libertadores de 2017.

Um dos últimos atos de Paulo Nobre como presidente foi publicar uma resolução informando que Leila Pereira não pode ser candidata por não ter ao menos oito anos como sócia do Palmeiras. Ela rebate dizendo que é sócia desde 1996, amparada em um documento assinado por Mustafá Contursi, presidente naquela época e seu padrinho político.

O contrato atual com a Crefisa prevê o pagamento de R$ 78 milhões, incluindo os gastos com os salários de Lucas Barrios (R$ 1 milhão por mês). Antes da crise, a renovação era dada como certa por ambas as partes, que já até cogitavam a contratação de um grande reforço com a ajuda da parceira.