Cuca

Cuca tenta manter a tranquilidade de torcedores e jogadores (Foto: Jales ValquerFotoarena/Lancepress!)

Fellipe Lucena
01/11/2016
07:45
São Paulo (SP)

O Palmeiras ficou longe de apresentar um futebol encantador nas últimas rodadas do Brasileirão, sobretudo na derrota por 1 a 0 para o Santos, no último domingo. O rendimento deixa a impressão de um segundo turno pior do que o primeiro, quando a equipe de Cuca viveu ótimos momentos. Na prática, porém, o time tem sido mais eficiente na segunda metade do torneio do que foi na primeira.

Após 14 rodadas disputadas no segundo turno, o Verdão acumula nove vitórias, quatro empates e só uma derrota. São 31 pontos ganhos. No primeiro turno, após 14 rodadas, a campanha tinha nove vitórias, dois empates e três derrotas. Ou seja, eram 29 pontos ganhos.

Nas últimas cinco rodadas do primeiro turno, o time somou sete pontos: venceu Internacional e Vitória, empatou com a Chapecoense e perdeu para Atlético-MG e Botafogo. O desempenho foi suficiente para garantir o título simbólico da primeira parte do Brasileirão com 36 pontos, um a mais que o Galo.

Agora com 67 pontos – cinco a mais que o Flamengo, seis a mais que o Santos e sete a mais que o Atlético-MG –, o Palmeiras sabe que será campeão se conquistar dez pontos nessas cinco rodadas.

Com essa campanha, o time chegaria aos 77 pontos, pontuação que só o Flamengo pode alcançar, caso seja 100% até o fim. Mas o empate por pontos fatalmente beneficiará os paulistas, que hoje têm duas vitórias e 12 gols de saldo a mais.

– A gente tinha 78% de aproveitamento no segundo turno, abaixou um pouco, é normal. Eram 15 partidas sem perder, perdeu uma, mas temos cinco agora para vencer três e sair campeão. Pode ser que seja um ponto a mais ou a menos, mas as coisas estão bem encaminhadas para nós – analisou Cuca, que não concordou ao ser questionado sobre a queda técnica:

– Não acho que esteja criando pouco e te provo isso com números. Além de o Palmeiras ter o melhor ataque da competição, se você olhar, finalizou mais que o Santos na casa do Santos. Não acho que a gente esteja criando pouco.