icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena e Thiago Salata
icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena e Thiago Salata
25/08/2015
14:35

Na celebração do "primeiro ano de um novo século", como o Palmeiras denomina seu 101º aniversário, que será nesta quarta, Paulo Nobre fez um discurso repleto de otimismo. Na festa oficial do clube, realizada na noite de segunda-feira no Espaço das Américas, em São Paulo, o presidente disse que sua gestão conseguiu reverter toda a "tendência negativa" dos últimos anos.

- Para a Sociedade Esportiva Palmeiras sempre existe um amanhã, porque os dirigentes vão, a instituição fica, e com ela todas as dívidas geradas por seus comandantes. Foi muito, mas muito triste a situação que nós encontramos o Palmeiras em janeiro de 2013. Mas muito maior do que a tristeza foi o trabalho que toda essa diretoria teve na reconstrução da imagem do Palmeiras junto ao mercado - disse Nobre.

O dirigente assumiu o comando em janeiro de 2013, substituindo Arnaldo Tirone - que estava na festa e ouviu o discurso. Apesar de ter passado todo o primeiro mandato sem um patrocinador máster e de ter visto o clube brigar contra o rebaixamento em 2014, um ano depois de voltar da Série B, Nobre foi reeleito e só deixará o cargo em janeiro de 2017. E ele espera que seja com taças no currículo...

- Não tenho dúvida nenhuma de que nós revertemos toda a tendência negativa que o Palmeiras teve nos últimos tempos. Hoje o Palmeiras está embicado para cima, para onde nós todos queremos que o Palmeiras chegue. Mas existe uma realidade, e a bola não entrou ainda. Ou seja, temos ainda muito o que fazer.

Veja o discurso completo de Paulo Nobre:

"Mais um ano se passou e um novo século se inicia na vida da Sociedade Esportiva Palmeiras. Novo século este em que "Palmeiras" tem que voltar a ser escrito com todas as letras maiúsculas, como sempre foi nos primeiros cem anos. Mas para que isso aconteça, nós precisamos ter novamente um clube social, um clube reinstalado, modernizado, e um futebol, que é a razão da existência da Sociedade Esportiva Palmeiras, sempre forte e competitivo. Para isso, ele precisa ser sempre administrado com coerência e responsabilidade. Para a Sociedade Esportiva Palmeiras sempre existe um amanhã, porque os dirigentes vão, a instituição fica, e com ela todas as dívidas geradas por seus comandantes. Foi muito, mas muito triste a situação que nós encontramos o Palmeiras em janeiro de 2013. Mas muito maior do que a tristeza foi o trabalho que toda essa diretoria teve na reconstrução da imagem do Palmeiras junto ao mercado.

Entendemos que o Palmeiras necessitava de um choque de gestão. Não adiantava seguir a mesma receita que estava sendo usada, dado a situação em que o Palmeiras se encontrava. Era necessário planejar o futuro. Primeiro, sem tapar o sol com a peneira, saber onde realmente estávamos e, principalmente, onde queríamos chegar. Era necessário criar processos no clube, quebrar paradigmas. Uma vez que se traz o novo, é natural que surjam desconfianças. Sabíamos que escutaríamos que isso, aqui, não daria certo, que isso não funciona no Palmeiras. Mas não funciona por que? Todos os conceitos de fora do futebol, quando você traz para dentro do mundo do futebol, é necessário se "afutebolizar" um pouco. Mas uma vez fazendo isso, com vontade política, tudo é possível. Agora, perseverar, é fundamental. Os cães ladram, senhores, mas a caravana passa. Nós não nos preocupamos em ter uma gestão popular. Nós nos preocupamos, sim, com a nossa obrigação de entregar ao futuro presidente um Palmeiras melhor do que nós encontramos.

Para cada 20 "nãos", dizíamos um "sim". Nos pautamos pela transparência. Transparência junto ao nosso órgão fiscalizador, que é o Conselho de Orientação e Fiscalização, nunca jogando sujeira para debaixo do tapete e, mesmo sendo arduamente cobrado pelo COF todos os meses, esse órgão sempre agiu com muita harmonia e sempre remando para o mesmo lado da administração. Em 2013 e 2014, fizemos muitas obras debaixo do chão, que não trazem popularidade nenhuma. Não adiantamos um real de receita da gestão 2015/2016, e isso nos possibilitou investir no futebol e ganhar o respeito no meio. É com muita satisfação que eu percebo que tudo que foi plantado a duríssimas penas nos primeiros dois anos de gestão está dando frutos agora. Os patrocinadores voltaram a estampar a nossa camisa, os jogadores voltaram ter no Palmeiras a sua primeira opção, o programa Avanti é um sucesso entrondoso. Nós ficamos sem nenhum patrocínio na nossa camisa em 2013 e 2014. Hoje, a receita que provém do sócio-torcedor Avanti é compatível a dois patrocínios máster. A TV Palmeiras é um sucesso tão estrondoso que o presidente do Youtube na América Latina veio ao Brasil querendo conhecer o motivo de tanto fanatismo. E mais recentemente o novo aplicativo oficial do Palmeiras, que em menos de um mês já é o mais baixado de toda a América Latina em times de futebol.

Porém, senhores, estamos falando do meio do futebol. No meio do futebol, se o jogador chuta, a bola pega na trave e entra, a gestão fez sucesso. Se ela pega na trave e sai, a gestão falhou. E no fundo, senhores, é praticamente o mesmo chute. Não tenho dúvida nenhuma de que nós revertemos toda a tendência negativa que o Palmeiras teve nos últimos tempos. Hoje o Palmeiras está embicado para cima, para onde nós todos queremos que o Palmeiras chegue. Mas existe uma realidade, e a bola não entrou ainda. Ou seja, temos ainda muito o que fazer. Então, senhores, nesse início de novo século, convoco todos os senhores e todos os 20 milhões de palmeirenses a arregaçarem suas mangas, porque temos muito trabalho pela frente".

Na celebração do "primeiro ano de um novo século", como o Palmeiras denomina seu 101º aniversário, que será nesta quarta, Paulo Nobre fez um discurso repleto de otimismo. Na festa oficial do clube, realizada na noite de segunda-feira no Espaço das Américas, em São Paulo, o presidente disse que sua gestão conseguiu reverter toda a "tendência negativa" dos últimos anos.

- Para a Sociedade Esportiva Palmeiras sempre existe um amanhã, porque os dirigentes vão, a instituição fica, e com ela todas as dívidas geradas por seus comandantes. Foi muito, mas muito triste a situação que nós encontramos o Palmeiras em janeiro de 2013. Mas muito maior do que a tristeza foi o trabalho que toda essa diretoria teve na reconstrução da imagem do Palmeiras junto ao mercado - disse Nobre.

O dirigente assumiu o comando em janeiro de 2013, substituindo Arnaldo Tirone - que estava na festa e ouviu o discurso. Apesar de ter passado todo o primeiro mandato sem um patrocinador máster e de ter visto o clube brigar contra o rebaixamento em 2014, um ano depois de voltar da Série B, Nobre foi reeleito e só deixará o cargo em janeiro de 2017. E ele espera que seja com taças no currículo...

- Não tenho dúvida nenhuma de que nós revertemos toda a tendência negativa que o Palmeiras teve nos últimos tempos. Hoje o Palmeiras está embicado para cima, para onde nós todos queremos que o Palmeiras chegue. Mas existe uma realidade, e a bola não entrou ainda. Ou seja, temos ainda muito o que fazer.

Veja o discurso completo de Paulo Nobre:

"Mais um ano se passou e um novo século se inicia na vida da Sociedade Esportiva Palmeiras. Novo século este em que "Palmeiras" tem que voltar a ser escrito com todas as letras maiúsculas, como sempre foi nos primeiros cem anos. Mas para que isso aconteça, nós precisamos ter novamente um clube social, um clube reinstalado, modernizado, e um futebol, que é a razão da existência da Sociedade Esportiva Palmeiras, sempre forte e competitivo. Para isso, ele precisa ser sempre administrado com coerência e responsabilidade. Para a Sociedade Esportiva Palmeiras sempre existe um amanhã, porque os dirigentes vão, a instituição fica, e com ela todas as dívidas geradas por seus comandantes. Foi muito, mas muito triste a situação que nós encontramos o Palmeiras em janeiro de 2013. Mas muito maior do que a tristeza foi o trabalho que toda essa diretoria teve na reconstrução da imagem do Palmeiras junto ao mercado.

Entendemos que o Palmeiras necessitava de um choque de gestão. Não adiantava seguir a mesma receita que estava sendo usada, dado a situação em que o Palmeiras se encontrava. Era necessário planejar o futuro. Primeiro, sem tapar o sol com a peneira, saber onde realmente estávamos e, principalmente, onde queríamos chegar. Era necessário criar processos no clube, quebrar paradigmas. Uma vez que se traz o novo, é natural que surjam desconfianças. Sabíamos que escutaríamos que isso, aqui, não daria certo, que isso não funciona no Palmeiras. Mas não funciona por que? Todos os conceitos de fora do futebol, quando você traz para dentro do mundo do futebol, é necessário se "afutebolizar" um pouco. Mas uma vez fazendo isso, com vontade política, tudo é possível. Agora, perseverar, é fundamental. Os cães ladram, senhores, mas a caravana passa. Nós não nos preocupamos em ter uma gestão popular. Nós nos preocupamos, sim, com a nossa obrigação de entregar ao futuro presidente um Palmeiras melhor do que nós encontramos.

Para cada 20 "nãos", dizíamos um "sim". Nos pautamos pela transparência. Transparência junto ao nosso órgão fiscalizador, que é o Conselho de Orientação e Fiscalização, nunca jogando sujeira para debaixo do tapete e, mesmo sendo arduamente cobrado pelo COF todos os meses, esse órgão sempre agiu com muita harmonia e sempre remando para o mesmo lado da administração. Em 2013 e 2014, fizemos muitas obras debaixo do chão, que não trazem popularidade nenhuma. Não adiantamos um real de receita da gestão 2015/2016, e isso nos possibilitou investir no futebol e ganhar o respeito no meio. É com muita satisfação que eu percebo que tudo que foi plantado a duríssimas penas nos primeiros dois anos de gestão está dando frutos agora. Os patrocinadores voltaram a estampar a nossa camisa, os jogadores voltaram ter no Palmeiras a sua primeira opção, o programa Avanti é um sucesso entrondoso. Nós ficamos sem nenhum patrocínio na nossa camisa em 2013 e 2014. Hoje, a receita que provém do sócio-torcedor Avanti é compatível a dois patrocínios máster. A TV Palmeiras é um sucesso tão estrondoso que o presidente do Youtube na América Latina veio ao Brasil querendo conhecer o motivo de tanto fanatismo. E mais recentemente o novo aplicativo oficial do Palmeiras, que em menos de um mês já é o mais baixado de toda a América Latina em times de futebol.

Porém, senhores, estamos falando do meio do futebol. No meio do futebol, se o jogador chuta, a bola pega na trave e entra, a gestão fez sucesso. Se ela pega na trave e sai, a gestão falhou. E no fundo, senhores, é praticamente o mesmo chute. Não tenho dúvida nenhuma de que nós revertemos toda a tendência negativa que o Palmeiras teve nos últimos tempos. Hoje o Palmeiras está embicado para cima, para onde nós todos queremos que o Palmeiras chegue. Mas existe uma realidade, e a bola não entrou ainda. Ou seja, temos ainda muito o que fazer. Então, senhores, nesse início de novo século, convoco todos os senhores e todos os 20 milhões de palmeirenses a arregaçarem suas mangas, porque temos muito trabalho pela frente".