icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/08/2015
10:26

Quem disse que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? Na verdade, pode cair até mesmo três vezes. Na manhã deste domingo, o jamaicano Usain Bolt conquistou o tricampeonato mundial dos 100m rasos, na final da prova disputada no estádio Ninho de Pássaro, em Pequim.

Bolt superou a desconfiança sobre sua condição física e a melhor fase do adversário americano Justin Gatlin para vencer no Campeonato Mundial. A marca não foi entre suas melhores, 9s79. No entanto, o Raio nem ligou para isso e fez a festa com seu triunfo.

A medalha de prata ficou justamente com Gatlin, que cruzou a linha de chegada apenas um centésimo atrás: 9s80. Na semifinal, o velocista havia feito a marca de 9s77, tempo que lhe teria dado o título.

O bronze foi dividido entre dois atletas: o canadense Andre de Grasse e o americano Trayvon Bromell, que empataram com 9s92.

Entre seus três títulos mundiais, Bolt venceu com sua pior marca. Na final em Berlim-2009, ele estabeleceu o recorde mundial da prova que perdura até hoje: 9s58. Dois anos depois, ele foi desclassificado na decisão em Daegu-2011, ao queimar a largada. A redenção veio em Moscou-2013, com o bicampeonato. Sua marca na ocasião foi de 9s77. 

[[GAL:LANPGL20150823_0003]]

Quem disse que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? Na verdade, pode cair até mesmo três vezes. Na manhã deste domingo, o jamaicano Usain Bolt conquistou o tricampeonato mundial dos 100m rasos, na final da prova disputada no estádio Ninho de Pássaro, em Pequim.

Bolt superou a desconfiança sobre sua condição física e a melhor fase do adversário americano Justin Gatlin para vencer no Campeonato Mundial. A marca não foi entre suas melhores, 9s79. No entanto, o Raio nem ligou para isso e fez a festa com seu triunfo.

A medalha de prata ficou justamente com Gatlin, que cruzou a linha de chegada apenas um centésimo atrás: 9s80. Na semifinal, o velocista havia feito a marca de 9s77, tempo que lhe teria dado o título.

O bronze foi dividido entre dois atletas: o canadense Andre de Grasse e o americano Trayvon Bromell, que empataram com 9s92.

Entre seus três títulos mundiais, Bolt venceu com sua pior marca. Na final em Berlim-2009, ele estabeleceu o recorde mundial da prova que perdura até hoje: 9s58. Dois anos depois, ele foi desclassificado na decisão em Daegu-2011, ao queimar a largada. A redenção veio em Moscou-2013, com o bicampeonato. Sua marca na ocasião foi de 9s77. 

[[GAL:LANPGL20150823_0003]]