icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
20/08/2015
13:29

Wagner José Alberto Carvalho Domingos, ou, simplesmente, Montanha. O lançador do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, de 32 anos, é um pioneiro. Pela primeira vez, o Brasil terá um atleta do lançamento do martelo em um Mundial - e a edição de Pequim, que começa nesta sexta-feira (pelo horário de Brasília), já é a 15ª da principal competição da modalidade. A disputa da qualificação da prova começa às 22h30 e a final será no domingo (23/8/2015), às 7h30.

A classificação veio por convite da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e premia a evolução de Montanha na prova. Na última década, o pernambucano tem quebrado barreiras. Em 2005, quando dividia seus treinos entre Recife e São Paulo, ele bateu o recorde brasileiro pela primeira vez, ao alcançar 67,52 m. E não parou mais de evoluir, melhorando sua marca em quase dez metros. Apenas em 2014, superou o recorde nacional cinco vezes - o atual é 75,47 m, conquistado em 9 de outubro do ano passado, durante a disputa do Troféu Brasil. O índice para o Mundial era de 76 m, e Montanha tem, como melhor resultado em 2015, 74,20 m obtidos em maio.

- É muito bacana abrir a porta para outros. Eu fico feliz por isso, porque eu sempre batalhei, não só para eu crescer, mas também para ajudar os outros a crescerem comigo. Se eu não fosse para esse Mundial, tentaria mais um, em 2017, depois da Olimpíada. Como eu ganhei a oportunidade de ir a esse, meu objetivo é ganhar experiência na competição para a Olimpíada do Rio - avalia Montanha.

Montanha também superou dificuldades na carreira. A primeira, autoimposta, foi em 2009. Durante a disputa do Grande Prêmio Brasil, em Belém, resolveu conversar com o técnico esloveno Vladimir Kevo, que estava no país com o então campeão olímpico Primoz Kozmus. Sem saber falar uma palavra em inglês, ultrapassou a barreira linguística para perguntar se poderia participar de treinos com ele. Desde então, Montanha passa alguns meses do ano na Eslovênia treinando com Kevo, apoiado pelo Clube de Atletismo BM&FBOVESPA - já até incorporou expressões da língua eslava ao seu vocabulário. Essa parceria rendeu frutos rapidamente, e Wagner se tornou o primeiro atleta do país a ultrapassar a marca dos 70 metros no martelo.

Outra dificuldade superada por Montanha foi totalmente inesperada. Em meados de 2011, durante um exame de rotina no Clube, descobriu um tumor na bexiga. Como a detecção ocorreu em fase inicial, Wagner foi operado e voltou a competir na mesma temporada, a tempo de participar dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em outubro daquele ano.

Sobre o Mundial de Pequim, Montanha espera alcançar a final.

- Continuei treinando desde o Pan (foi o quarto colocado em Toronto, com 73,74 m) e treinei bem. Vou tentar fazer o meu melhor e quero conseguir me qualificar para a final. Se conseguir, meu objetivo estará cumprido. No começo do ano, fiz uma preparação muito boa na Eslovênia. Estou estável (nos lançamentos), então para vir um 75 m, um 76 m, está bem próximo.

Ainda na primeira sessão de provas do Mundial, que, por causa do fuso horário, começa na noite da sexta-feira no Brasil, o Clube de Atletismo BM&FBOVESPA terá Cleiton Cezario Abrão nas eliminatórias dos 800 metros. A prova será realizada já na madrugada de sábado, a partir das 0h50 (de Brasília).

Wagner José Alberto Carvalho Domingos, ou, simplesmente, Montanha. O lançador do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, de 32 anos, é um pioneiro. Pela primeira vez, o Brasil terá um atleta do lançamento do martelo em um Mundial - e a edição de Pequim, que começa nesta sexta-feira (pelo horário de Brasília), já é a 15ª da principal competição da modalidade. A disputa da qualificação da prova começa às 22h30 e a final será no domingo (23/8/2015), às 7h30.

A classificação veio por convite da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e premia a evolução de Montanha na prova. Na última década, o pernambucano tem quebrado barreiras. Em 2005, quando dividia seus treinos entre Recife e São Paulo, ele bateu o recorde brasileiro pela primeira vez, ao alcançar 67,52 m. E não parou mais de evoluir, melhorando sua marca em quase dez metros. Apenas em 2014, superou o recorde nacional cinco vezes - o atual é 75,47 m, conquistado em 9 de outubro do ano passado, durante a disputa do Troféu Brasil. O índice para o Mundial era de 76 m, e Montanha tem, como melhor resultado em 2015, 74,20 m obtidos em maio.

- É muito bacana abrir a porta para outros. Eu fico feliz por isso, porque eu sempre batalhei, não só para eu crescer, mas também para ajudar os outros a crescerem comigo. Se eu não fosse para esse Mundial, tentaria mais um, em 2017, depois da Olimpíada. Como eu ganhei a oportunidade de ir a esse, meu objetivo é ganhar experiência na competição para a Olimpíada do Rio - avalia Montanha.

Montanha também superou dificuldades na carreira. A primeira, autoimposta, foi em 2009. Durante a disputa do Grande Prêmio Brasil, em Belém, resolveu conversar com o técnico esloveno Vladimir Kevo, que estava no país com o então campeão olímpico Primoz Kozmus. Sem saber falar uma palavra em inglês, ultrapassou a barreira linguística para perguntar se poderia participar de treinos com ele. Desde então, Montanha passa alguns meses do ano na Eslovênia treinando com Kevo, apoiado pelo Clube de Atletismo BM&FBOVESPA - já até incorporou expressões da língua eslava ao seu vocabulário. Essa parceria rendeu frutos rapidamente, e Wagner se tornou o primeiro atleta do país a ultrapassar a marca dos 70 metros no martelo.

Outra dificuldade superada por Montanha foi totalmente inesperada. Em meados de 2011, durante um exame de rotina no Clube, descobriu um tumor na bexiga. Como a detecção ocorreu em fase inicial, Wagner foi operado e voltou a competir na mesma temporada, a tempo de participar dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em outubro daquele ano.

Sobre o Mundial de Pequim, Montanha espera alcançar a final.

- Continuei treinando desde o Pan (foi o quarto colocado em Toronto, com 73,74 m) e treinei bem. Vou tentar fazer o meu melhor e quero conseguir me qualificar para a final. Se conseguir, meu objetivo estará cumprido. No começo do ano, fiz uma preparação muito boa na Eslovênia. Estou estável (nos lançamentos), então para vir um 75 m, um 76 m, está bem próximo.

Ainda na primeira sessão de provas do Mundial, que, por causa do fuso horário, começa na noite da sexta-feira no Brasil, o Clube de Atletismo BM&FBOVESPA terá Cleiton Cezario Abrão nas eliminatórias dos 800 metros. A prova será realizada já na madrugada de sábado, a partir das 0h50 (de Brasília).