icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/08/2015
09:09

A primeira medalha do Brasil no Campeonato Mundial de judô, em Astana, no Cazaquistão, foi conquistada nesta terça-feira. Érika Miranda, da categoria até 52kg, deixou escapar o ouro, mas não desperdiçou o bronze ao derrotar a italiana Odette Giuffrida.

A brasileira, campeã dos Jogos Pan-Americanos de Toronto (CAN), em julho, precisou se recuperar de um golpe duro na semifinal. Ela vencia a japonesa bicampeã mundial Masato Nakamura, mas foi surpreendida na perna e levou um wazari. 

Contra a italiana, Érika retomou a concentração que a fizeram vencer três adversárias nas preliminares por ippon. A adversária acabou punida com um shido. Esta foi a terceira medalha dem mundiais. Ela soma uma prata (2013) e dois bronzes (2014 e 2015). 

O Brasil tem 18 representantes em Astana. No feminino, são elas Sarah Menezes e Nathália Brigida (48kg), Érika Miranda (52kg), Rafaela Silva (57kg), Mariana Silva (63kg), Maria Portela (70kg), Mayra Aguiar (78kg), Maria Suelen Altheman (+78kg ) e Rochele Nunes (+78kg) representam o país.

Já no masculino, competem Felipe Kitadai e Erik Takabatake (60kg), Charles Chibana (66kg), Marcelo Contini (73kg), Victor Penalber (81kg), Leandro Guilheiro (81kg), Tiago Camilo (90kg), Luciano Correa (100kg) e David Moura (+100kg) também lutam.

Na última edição do Mundial, em Chelyabinsk (RUS), o Brasil faturou quatro medalhas: ouro com Mayra Aguiar (78kg), prata com Maria Suelen Altheman (+78kg) e bronzes com Érika Miranda (52kg) e Rafael Silva, o Baby (+100kg). O último não está no Cazaquistão, por causa e uma lesão no músculo peitoral.

Nesta quarta-feira, o Brasil brigará por medalhas com a campeã mundial Rafaela Silva e com Marcelo Contini.

A primeira medalha do Brasil no Campeonato Mundial de judô, em Astana, no Cazaquistão, foi conquistada nesta terça-feira. Érika Miranda, da categoria até 52kg, deixou escapar o ouro, mas não desperdiçou o bronze ao derrotar a italiana Odette Giuffrida.

A brasileira, campeã dos Jogos Pan-Americanos de Toronto (CAN), em julho, precisou se recuperar de um golpe duro na semifinal. Ela vencia a japonesa bicampeã mundial Masato Nakamura, mas foi surpreendida na perna e levou um wazari. 

Contra a italiana, Érika retomou a concentração que a fizeram vencer três adversárias nas preliminares por ippon. A adversária acabou punida com um shido. Esta foi a terceira medalha dem mundiais. Ela soma uma prata (2013) e dois bronzes (2014 e 2015). 

O Brasil tem 18 representantes em Astana. No feminino, são elas Sarah Menezes e Nathália Brigida (48kg), Érika Miranda (52kg), Rafaela Silva (57kg), Mariana Silva (63kg), Maria Portela (70kg), Mayra Aguiar (78kg), Maria Suelen Altheman (+78kg ) e Rochele Nunes (+78kg) representam o país.

Já no masculino, competem Felipe Kitadai e Erik Takabatake (60kg), Charles Chibana (66kg), Marcelo Contini (73kg), Victor Penalber (81kg), Leandro Guilheiro (81kg), Tiago Camilo (90kg), Luciano Correa (100kg) e David Moura (+100kg) também lutam.

Na última edição do Mundial, em Chelyabinsk (RUS), o Brasil faturou quatro medalhas: ouro com Mayra Aguiar (78kg), prata com Maria Suelen Altheman (+78kg) e bronzes com Érika Miranda (52kg) e Rafael Silva, o Baby (+100kg). O último não está no Cazaquistão, por causa e uma lesão no músculo peitoral.

Nesta quarta-feira, o Brasil brigará por medalhas com a campeã mundial Rafaela Silva e com Marcelo Contini.