icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
24/08/2015
13:30

Programado para o dia 12 de dezembro, no UFC 194, o duelo entre Yoel Romero e Ronaldo Jacaré pode definir o próximo desafiante ao cinturão dos médios. Neste mesmo evento, o atual campeão Chris Weidman defende o título diante de Luke Rockhold. Para Ricardo Libório, o treinador do cubano na equipe American Top Team, o brasileiro é um adversário mais perigoso dos dois que vão disputar o posto de número um da divisão.

- O Jacaré é a luta mais difícil do Romero. Para a nossa vantagem, essa luta já era para ter acontecido há muito tempo e estamos treinando esse tempo todo para ela. Um ano treinando para ele. Treino especificamente o Romero e as vezes são horas e horas treinando, fazendo série de posições e o cara não cansa. O Jacaré seria mais dificil do que o Weidman e o Rockhold. Estamos falando de alto nivel, mas sem menosprezar os caras. Jacaré tem qualidade técnica, fisica, gás, bate forte o tempo todo. Agora é não se botar em situações que o Jacaré possa capitalizar, não ficar por baixo e aproveitar em cima - afirmou o treinador, em recente conversa com a imprensa.

Yoel Romero, que tem 10 vitórias e uma derrota na carreira, tem como carro-chefe o wrestling, inclusive já tendo conquistado uma medalha de prata, nas Olimpíadas de Sydney, em 2000. Enquanto Jacaré, já foi campeão mundial de jiu-jitsu e também gosta de atuar no solo. Com os dois lutadores com suas técnicas bem conhecidas no chão, Libório não soube apontar quem pode levar vantagem na trocação e garantiu que a estratégia será decisiva no duelo.

- Romero tem uma trocação que não é ortodoxa e facilita para criar surpresas, bate forte, assim como o Jacaré. Ele usa as armas todas. O Jacaré tem tem essas quedas de força, que derrubam qualquer um. É dificil saber quem é melhor em pé. Qualquer um dos dois, se tocar, cai e ambos batem forte. O que fará a diferença na luta será o volume, quem aguentar mais. Jacaré nunca deixa de botar e o Yoel sabe administrar. A estratégia será fundamental nessa luta - adiantou.

Romero vem de triunfo sobre Lyoto Machida, por nocaute técnico (FOTO: UFC)

Invicto desde que estreou no Ultimate, em 2013, o cubano acumula seis triunfos seguidos, sendo o último sobre Lyoto Machida, em junho deste ano. Questionado se seu pupilo possa sentir a pressão de estar a uma luta de brigar pelo cinturão, Libório crê que seu lastro de ter participado de Jogos Olímpicos e ser campeão mundial de wrestling, o deixam acostumado com este sentimento.

- O Romero já foi campeão mundial de wrestling e medalha de prata nas Olimpíadas. Lutou em ginásio de 15 mil, 20 mil pessoas. No Irã é como se fosse um Deus, o público queria abraçá-lo, obrigando os colegas a fazerem um corredor para ele poder entrar no ginásio. Quem lutou as Olimpíadas, está acostumado a pressão. Pressão não será problema - completou.

Programado para o dia 12 de dezembro, no UFC 194, o duelo entre Yoel Romero e Ronaldo Jacaré pode definir o próximo desafiante ao cinturão dos médios. Neste mesmo evento, o atual campeão Chris Weidman defende o título diante de Luke Rockhold. Para Ricardo Libório, o treinador do cubano na equipe American Top Team, o brasileiro é um adversário mais perigoso dos dois que vão disputar o posto de número um da divisão.

- O Jacaré é a luta mais difícil do Romero. Para a nossa vantagem, essa luta já era para ter acontecido há muito tempo e estamos treinando esse tempo todo para ela. Um ano treinando para ele. Treino especificamente o Romero e as vezes são horas e horas treinando, fazendo série de posições e o cara não cansa. O Jacaré seria mais dificil do que o Weidman e o Rockhold. Estamos falando de alto nivel, mas sem menosprezar os caras. Jacaré tem qualidade técnica, fisica, gás, bate forte o tempo todo. Agora é não se botar em situações que o Jacaré possa capitalizar, não ficar por baixo e aproveitar em cima - afirmou o treinador, em recente conversa com a imprensa.

Yoel Romero, que tem 10 vitórias e uma derrota na carreira, tem como carro-chefe o wrestling, inclusive já tendo conquistado uma medalha de prata, nas Olimpíadas de Sydney, em 2000. Enquanto Jacaré, já foi campeão mundial de jiu-jitsu e também gosta de atuar no solo. Com os dois lutadores com suas técnicas bem conhecidas no chão, Libório não soube apontar quem pode levar vantagem na trocação e garantiu que a estratégia será decisiva no duelo.

- Romero tem uma trocação que não é ortodoxa e facilita para criar surpresas, bate forte, assim como o Jacaré. Ele usa as armas todas. O Jacaré tem tem essas quedas de força, que derrubam qualquer um. É dificil saber quem é melhor em pé. Qualquer um dos dois, se tocar, cai e ambos batem forte. O que fará a diferença na luta será o volume, quem aguentar mais. Jacaré nunca deixa de botar e o Yoel sabe administrar. A estratégia será fundamental nessa luta - adiantou.

Romero vem de triunfo sobre Lyoto Machida, por nocaute técnico (FOTO: UFC)

Invicto desde que estreou no Ultimate, em 2013, o cubano acumula seis triunfos seguidos, sendo o último sobre Lyoto Machida, em junho deste ano. Questionado se seu pupilo possa sentir a pressão de estar a uma luta de brigar pelo cinturão, Libório crê que seu lastro de ter participado de Jogos Olímpicos e ser campeão mundial de wrestling, o deixam acostumado com este sentimento.

- O Romero já foi campeão mundial de wrestling e medalha de prata nas Olimpíadas. Lutou em ginásio de 15 mil, 20 mil pessoas. No Irã é como se fosse um Deus, o público queria abraçá-lo, obrigando os colegas a fazerem um corredor para ele poder entrar no ginásio. Quem lutou as Olimpíadas, está acostumado a pressão. Pressão não será problema - completou.