Clarence Seedorf

Clarence Seedorf possui receio financeiro após passagem pelo Botafogo. (Foto: Divulgação)

Daniel Piva e Guilherme Moreira
13/12/2017
09:15
Curitiba (PR)

Cotado para assumir o comando técnico, Clarence Seedorf é o nome mais forte na pauta do Atlético-PR no momento. Para garantir sua contratação, o LANCE! apurou que a diretoria atleticana vai se movimentar no mercado atrás de um patrocinador.

O ex-jogador holandês chega a Curitiba ainda nesta semana para conhecer o CT do Caju, se reunir com os dirigentes e ouvir o projeto atleticano. A cúpula rubro-negra acredita que possa convencer o treinador por toda a estrutura e filosofia implementada no dia a dia, alinhando com a experiência do profissional, para ter um bom desempenho em 2018. Mas tem um problema.

Seedorf possui um certo receio de trabalhar no Brasil pela questão financeira. Em sua passagem como atleta do Botafogo, entre 2012 e 2013, o clube carioca ficou devendo R$ 3,9 milhões de direito de imagem e causou problemas no fisco italiano para ele. O agora comandante entrou na Justiça contra o Fogão em julho deste ano.

Dessa forma, o Rubro-Negro aguardará o feedback da reunião para sentir a receptividade sobre a ideia dele treinar o time paranaense. Se o sinal for positivo, a ideia é buscar um patrocínio - a cúpula tem pouca esperança que ele se enquadre na realidade financeira do clube para a função.

Apesar da fama de bom pagador, com salários rigorosamente em dia há anos, o Furacão se mostra preocupado com a questão e quer garantir que os vencimentos tenham uma origem de confiança para dar essa segurança ao comandante. Assim, a diretoria já está prospectando possíveis patrocinadores para bancar a vinda do técnico holandês.

Com 41 anos, Seedorf treinou duas equipes na nova carreira: o Milan em 2014 e o Shenzhen-CHI em 2016.

Plano B

Caso o holandês não sinalize positivamente, o Atlético-PR tem o nome de Leonardo como segunda opção. Ele deixou o Antalyaspor-TUR há menos de uma semana e tem passagens pelos italianos Milan e Inter de Milão nessa função. A ideia de trazer um patrocinador para bancar o salário também se aplica ao seu caso.