Walter Feldman, secretário-geral da CBF (Foto: Igor Siqueira)

Walter Feldman, secretário-geral da CBF (Foto: Igor Siqueira)

Igor Siqueira
18/02/2016
18:10
Rio de Janeiro (RJ)

A CBF revelou nesta quinta-feira que os membros do novo Comitê de Reformas da entidade vão receber salários, desde que não tenham vínculo empregatício com a entidade. Ao todo, serão sete remunerados. O valor foi definido com auxílio de uma empresa de consultoria contratada pela CBF e ficará entre R$ 3 mil e R$ 5 mil.

- Quem tem contrato e representação direta, não poderão receber. Quem não tem vínculo, deve receber. Essa é a forma de governança. Estamos seguindo a orientação - disse Walter Feldman, secretário-geral da CBF, que vai presidir o Comitê.

A revelação do valor desencadeou uma reação espontânea de Carlos Alberto Torres, capitão do tri e um dos integrantes do Comitê de Reformas.

- Dá pra nada hein, pensando que vou ganhar uma grana - brincou Capita, arrancando risadas.

O Comitê de Reformas tem 17 membros, mas não receberão salários, por exemplo, presidentes de clubes e federações, integrantes que já tiverem contrato de prestação de serviço com a CBF e membros de organizações representativas, como o STJD. Ao fim das contas, serão sete que receberão entre R$ 3 mil e R$ 5 mil. Carlos Alberto Torres é um deles.

Feldman ainda foi indagado sobre o nível de independência do Comitê, já que dez dos 17 são de alguma forma ligados à CBF.

- Relação com a CBF quase todo mundo tem, é muito difícil não ter na medida que ela organiza todo o sistema do futebol. Mas a relação que existe não é uma relação que descaracteriza a independência das pessoas. Impede o pagamento, mas não tira em absoluto a liberdade de manifestação ou expressão. Da diretoria da CBF, são só dois", declarou Feldman. A explicação para dez membros não receberem pagamento é excesso de zelo - comentou.

O Comitê terá reuniões presenciais e por videoconferência.

MEMBROS DO COMITÊ DE REFORMAS

1 - Walter Feldman, secretário-geral da CBF (presidente)
2 - Rogério Caboclo - diretor executivo de gestão da CBF
3 - Edmilson - pentacampeão do mundo
4 - Ricardo Rocha - tetracampeão do mundo
5 - Ana Paula Oliveira - ex-bandeirinha e membro da comissão de arbitragem da CBF
6 - Carlos Alberto Torres - tricampeão do mundo
7 - Carlos Alberto Parreira - ex-técnico da Seleção Brasileira
8 - Caio Rocha - presidente do STJD
9 - André Ramos Tavares - advogado
10 - Alvaro Melo Filho - advogado
11 - Luiz Felipe Santoro - advogado do Corinthians
12 - Castellar Neto - presidente da Federação Mineira
13 - Leomar Quintanilha - presidente da Federação Tocantinense
14 - Ednaldo Rodrigues - presidente da Federação Baiana
15 - Carlos Augusto Barros e Silva - presidente do São Paulo
16 - Carlos Eduardo Pereira - Presidente do Botafogo
17 - Formiga - jogadora da Seleção Brasileira