RADAR/LANCE!
03/09/2016
18:12
Rio de Janeiro (RJ)

Depois da vitória do Fluminense por 3 a 2 sobre o Figueirense, neste sábado, o apoiador Carlos Alberto deixou o campo do Estádio Giulite Coutinho soltando o verbo contra Levir Culpi. Segundo o camisa 19 do Figueirense, o técnico mandou lateral-direito Wellington Silva "dar porrada" nele. O meia desabafou.


- Foi uma covardia. Sou pai de dois filhos e tenho caráter. Guerra é só no o jogo, acabou, todos são amigos. Levir mandou o Wellington me dar porrada e me machucar. O garoto é meu amigo, ficou sem graça. Um educador não pode incitar a violência. Ele disse: "Na primeira bola que vier, dá uma porrada nas pernas dele" - falou Carlos Alberto. 

O meia, em seguida, ainda comentou o momento que originou a discussão toda, lembrou de sua história pelo Fluminense e continuou criticando Levir Culpi:

- Sou ídolo do Flu, tenho história no clube e uma gratidão enorme. A minha briga é no jogo, briga no bom sentido. Foi num lance na lateral e logo em seguida eu ganhei uma disputa no corpo, não sou desleal. Mandar um cara fazer isso é coisa de mau caráter. Espero que ele fale isso nas entrevistas.


Em entrevista coletiva, Levir Culpi disse que Carlos Alberto estava mentindo. O técnico explicou que ainda pediu para que Wellington devolvesse o fair play que Carlos Alberto estava pedindo. Como de costume, o treinador usou de bom humor para responder o meia do Figueirense.

- Se o Carlos Alberto contratar o Eduardo Cardozo e a Janaína Paschoal ele não vai ganhar essa. Isso é mentira. Eu gritei com Carlos Alberto, me desentendi com Wellington para devolver o suposto fair play. Insisti com Wellington para jogar a bola para fora. Temos que dar exemplo, não ganhar vantagem. Só me preocupei com isso. Se o Carlos Alberto viu outra coisa, acho que só Freud para explicar isso - comentou o técnico.


Ao saber da resposta do treinador tricolor, o jogador do Figueirense se pronunciou novamente enquanto deixava o estádio.

- O que ele falou? Bons advogados? O cara tem que ser homem para falar, desde que voltou da China está engraçadinho pra car... Vamos parar de palhaçada e assumir. Ele deu um exemplo muito errado. Os treinadores, dirigentes, árbitros, são educadores. A disputa é no jogo. Esse tipo de coisa que ele fez não existe. Não é porque perdi, não fico chorando quando perco. Eu luto, vou atrás. Pediu fair play? O Wellington quis devolver e ele não. Não foi, ele não fez, é mentiroso de estar falando isso - disse Carlos Alberto.

Por fim, o presidente do Figueirense, Wilfredo Brillinger, demonstrou apoio ao jogador do seu clube, prometendo medidas na CBF caso seja necessário. 

- Ele (Carlos Alberto) estava aos prantos, chorando, com raiva. Ele me contou com detalhes. O Carlos Alberto é um atleta que vive intensamente o jogo. Vou consultar o departamento jurídico que cuida dos assuntos junto a CBF e o STJD. Se realmente tudo isso aconteceu, nós vamos até o fim, tomar atitudes jurídicas e necessárias. O futebol brasileiro começando a respirar com essa medalha olímpica, então nós precisamos evoluir. Esse tipo de atitude tem que ser banida do futebol - comentou o presidente do Figueirense.