Hugo Mirandela
26/11/2016
21:54
Rio de Janeiro (RJ)

Candidato da chapa 'Somos Fluminense', Pedro Abad foi eleito como novo presidente do Tricolor para o triênio 2017/18/19 neste sábado. Em coletiva após o anúncio do resultado da eleição, ele já contou quais são seus planos para o período à frente do clube. Um dos principais deles será uma mudança no futebol profissional.

- Primeiro, o futebol. Vamos começar a remodelar todo o futebol profissional. A partir de amanhã chamo o Marcelo Teixeira para a montagem da equipe, temos que começar a ver isso. Vamos reativar os projetos das embaixadas, onde os tricolores vão poder se reunir e bater papo. Temos que adotar um plano de gestão mais parecido com um modelo privado. Pretendo criar uma vice-presidência para ajudar nisso - disse o novo mandatário, falando dos seus desafios.

- Profissionalizar o futebol, trazer para perto o torcedor do clube em todo o Brasil e adotar uma gestão mais corporativa. O bônus será a construção do nosso estádio - completou.

Questionado sobre a escolha do novo técnico do time, Abad não escondeu a sua preferência por Roger Machado, que treinou o Grêmio esse ano e tem história no Fluminense, marcando o gol do título da Copa do Brasil de 2007, contra o Figueirense. Segundo o novo presidente, as tratativas pelo novo treinador vão seguir a partir deste domingo.

- Nunca escondi em campanha que o Roger Machado era o meu técnico preferido. A partir de amanhã vamos ver o que fazemos. Tenho certeza que vamos ter um time forte, sendo o Roger ou não - contou.

Pedro Abad evitou falar de nomes de jogadores para reforçar o time. De acordo com ele, isso só poderá ser feito depois que for montada a equipe no departamento de futebol e a contratação do novo treinador.

- A partir do momento que for montado o corpo profissional, vamos analisar o elenco e ver o que tem e não tem. A gente primeiro vai montar o perfil do elenco, ver as carências e depois vai atrás no mercado - afirmou Abad, que também ainda não definiu a sua diretoria.

- Atualmente o que a gente tem é o Marcelo Teixeira me auxiliando nesse trabalho. Mas ainda vamos definir quem será o vice-presidente de futebol e as pessoas que vão ocupar os outros lugares. Eu não gostaria muito de falar em nome de profissionais. Mas o que posso dizer é que a gente te um seleção de pessoas aptas para trabalhar no Flu. Vamos começar a negociar agora com elas.

Cacá Cardoso, que foi vice de Abad na chapa, será o vice-presidente geral do Flu. De acordo com o presidente eleito, Peter Siemsen não terá um cargo, mas vai atuar como um colaborador.

- A partir de hoje o Peter é mais um colaborador. É um absurdo dizer que ele que vai governar. É um grupo de pessoas que querem trabalhar para o bem do Flu - garantiu.